menu-topo

Miúdos para a rua!!!

quinta-feira, agosto 16, 2018


Isto é tudo muito giro, férias e atividades em casa, mas aqui para as mães que me entendem já não posso com Slime!!!!!!
São caixinhas e caixinhas com aquela porcaria, são as mãos e tudo sujo, até no pelo do cão. è comprar cola branca, espuma de barbear e detergente da roupa o tempo todo. Nem com slime, nem tintas nas paredes, caneta na mesa nova, experiências no sofá, lambidelas de cão...
Estou a dar em doida com as atividades caseiras dos meus filhos.
Olha, passei a ser frenética com a lavagem das mãos e acho que, a partir destas férias, eles já vão ter este hábito por si sós. 
Olhem o que aprendi [que isto de ser blogger tem muito que se lhe diga]:
- São precisos 40 segundos a um minuto (aproxidamente o tempo que demora a canção "Parabéns a você" para que fiquem realmente limpas! 
- As bactérias podem viver nas superfícies até um mês.
Como achei que, na volta, há mais gente por aqui a querer salvar a casa e a mente como eu [que, by the way, tem ajudado muito a tirar muita porcaria das mãos dos meus filhos] saibam que na compra de 2 produtos Dettol, podem habilitar-se a ganhar um bilhete duplo para o Badoca Park.
Miúdos para rua [pela nossa sanidade mental!]
Vá meninos, vão lá ver os animais selvagens e lavem as mãos antes de entrarem em casa. ;)
Dica para o regresso às aulas:

Ensinem os vossos filhos a lavar as mãos:
Antes das refeições
Após utilizarem a casa de banho
Depois de brincarem com um animal
Depois de tossirem, espirrarem e assoarem o nariz
Depois de tocarem em objetos sujos (por exemplo: lápis mordiscados, lenços de papel usados, etc)
Quando as mãos parecerem estar sujas
Assim que começarem as aulas mostrem-lhes onde é possível lavar as mãos. Mesmo que não vão estas vezes todas, as que forem, já é uma aposta ganha. ;)











Adeus chucha [a história da Madalena]

quinta-feira, agosto 16, 2018

A amamentação nunca começa fácil para mim. Febre, peito muito dorido, feridas, enfim... São momentos duros mas que, com o tempo, me aprendi a defender. 
Pode parecer que não tem nada a ver mas é com a amamentação que começa a história da chucha lá em casa também. 
Dizem que não é certo mas foi a minha salvação. Os momentos que os meus filhos me largavam a maminha para [e ela] recuperar forças são preciosos. Já sabia que na mala da maternidade tinha de levar uma chucha emergência para o caso de ser preciso. E foi-o sempre!
Há algum preconceito para com a chucha. Eu percebo.
Damos uma coisa para depois andarmos a lutar para a tirar. É rídículo! 
Mas atrás desse gesto, tantas vezes condenado, há razões que não devem ser julgadas.
Aprendi desde essa altura a não julgar uma mãe, ou as suas circunstâncias, porque cada uma sabe o que funciona para si. Mesmo que não seja certo passa a sê-lo se ajudar essa mãe.
Os meus filhos sempre foram chuchões. Daqueles que se perdemos ou nos esquecemos da chucha ficamos nervosos.
E ficaram sem chucha exatamente da mesma forma. 
Um esquecimento. 
Desta vez fomos à Comporta passar o dia em casa de uns amigos e lá ficaram as chuchas.
Como eles tinham um cãozinho pequenino disse à Madalena que o Tobias era bebé e precisava da chucha.
Como os manos, na primeira e segunda noite houve alguma tristeza. Mas deixou-a.
Às vezes temos de ser fortes e aproveitar as circunstâncias, mesmo que custe um bocadinho. 
E depois, juro, que eles se habituam.  
Viva a Madalena que deixou fraldas e chucha ao mesmo tempo e que, ainda assim, continua feliz e asneirenta. ;)
#mães reais #babydove






Socorro! Os meus filhos estão de férias!

terça-feira, agosto 14, 2018
2 euros.
 2 horas de felicidade.


A verdade sobre mim

segunda-feira, agosto 13, 2018
Sei que virou moda (e ainda bem) o mote do #embraceyourbody
Na verdade, é uma questão difícil para mim porque tenho muito por onde abraçar. 
Obviamente não sou obesa, mas escondo coisas que não adoro em mim e que sobretudo me retiram qualidade de vida. 
Faço retenção de líquidos, às vezes tenho as pernas tão inchadas que se um filho passa por cima delas fico logo com uma nódoa negra gigante. Morro de dores nas costas e a minha barriga parece de uma grávida de uns 4 meses. 
Esta sou eu. Mas não sou eu a ficar a olhar para mim e a não fazer nada. Quero melhorar e não me abandonei. 
Irrita-me quando me dizem que só não treina quem não quer e que toda a gente consegue arranjar tempo para treinar. Não é verdade. 
Quando há três filhos e poucas ajudas pode acontecer. Por exemplo agora nas férias foi-me muito difícil treinar. 
Mas comecemos pelos básicos. A minha coluna é torta, logo postura errada, logo barriga para fora e outros problemas.
Isto vem desde nova, quando tinha vergonha de ter maminhas pequenas e me escondia, talvez de alguma falta de confiança na altura, e obviamente de três cesarianas (uma delas a ferros que me deixou marcas para sempre.)
Quase todos estes problemas podem vir (ou podiam ter sido melhorados) se tivesse em conta outra coisa super importante: a respiração. 
Respirar é das coisas mais importantes na nossa vida. É completamente desvalorizada mas se soubéssemos respirar bem pouco precisaríamos de fazer pela nossa saúde.
E eu não sei respirar.  Daí o especialista que está no topo das minhas prioridades é o de reeducação postural global e respiração.
Se eu respirar bem vou criar músculo onde a coluna precisa, corrigir posturas e melhorar em geral tudo o que me queixo agora.
Por isso vos quis mostrar [um pouco] o que escondem as minhas saias e vestidos compridos. 
Acredito que depois deste investimento em mim tudo melhore e me sinta em melhor forma. 
Vou continuar a obrigar-me a ir ao ginásio, porque não nasci uma gym lover. Vou ser mais rigorosa com a alimentação, apesar de já comer muito bem, sem processados. Tentar introduzir cada vez mais vegetais na minha dieta, cortar o pão e a carne, reduzir o queijo, e hidratar a minha alma com coisas positivas e felizes. 
Sei que me fazia bem fazer yoga e vou estudar essa possibilidade no futuro próximo.
[Tinha-me esquecido de vos dar resultados do colagénio Shape Up. Se bem se recordam estou a usar este colagénio para ajudar a ganhar massa muscular e a perder gordura. Foi um mês um bocado atípico por causa das férias e confesso que não fui tão frequente como queria ter sido, mas sem dúvida que é um ótimo complemento a quem quer melhorar a sua figura. Vou continuar a usar, desta vez como deve ser, para realmente conseguir os efeitos. Ainda é cedo e parece que já estou a sentir diferenças! Mais updates em breve;)]

Um beijinho a todas




Champô seco - a experiência

quarta-feira, julho 25, 2018

Quando ouvi pela primeira vez falar de champô seco fiquei um pouco apreensiva.
E lá está, falar de coisas que não conhecemos é sempre aquele erro.
Na verdade o champô seco acabou por resolver muitos problemas da minha vida relacionados com o tempo. E até com a poupança de água. Obviamente não é andar com o cabelo nojento até a última mas quando está tudo impecável e só as raízes estão um pouco a precisar é mesmo ideal. 
Hoje em dia prezo muito estes produtos que nos facilitam a vida.
Costumo usar este da Klorane que adoro e que é próprio para o meu tipo de cabelo. E porque queria muito mostrar a quem nunca usou os resultados do champô seco fiz a experiência de antes e depois para que possam perceber. Acho que a diferença é notória e parece que lavei o cabelo estou pronta a ir a minha vida. ;)
Para além da parte ecológica já que se substituirmos a utilização do champô uma vez por semana pelo champô seco, economizamos 500L de água por ano. 
Por isso, por mim está perfeito!