menu-topo

A minha baby

domingo, agosto 28, 2016
Manalena. É assim que o mano a chama. Não tinha percebido até há pouco tempo. 
A Manalena, pesseguinho, a bebé. É amada até à exaustão por todos. Se chora vai tudo a correr, se ri pára tudo para não deixar escapar o momento, se dorme queremos que acorde para a podermos voltar a abraçar.
Isto tem sido um namoro pegado. É raro chorar, é dorminhoca e muuuuuiiito comilona. É muito atenta a tudo e fica muito quietinha quando o Buddy lhe vem lamber os pés. Já agarra para morder, já começa a perceber o que a rodeia. Gosta de calma e de poucas confusões, mas já dormiu que nem um anjo numa feira daquelas de carrósseis e nas Festas do Mar.
Faço tudo com ela atrás porque é imprevisível nas horas de mamar. Adora beijinhos e morre de cócegas. Cresce de dia para dia e todos os dias é mais um bocadinho nossa e dona do nosso coração. 
Tudo o que tem a ver com ela é lei para os manos. Vai mandar em todos, vão ver.


A minha girl

sábado, agosto 27, 2016
Do cotovelo destruído já não há vestígios, tirando uma pequena cicatriz. Está quase a fazer um ano em que pensei que ficar com limitações para a vida. Agora só nós, pais, conseguimos perceber qual foi o lado que partiu. 
Quando gosta, é a miúda mais focada que conheço. E não se deixa afetar com impossibilidades. Adora desporto e é a grande companheira do pai no boxe e no Jiujitsu. Já faz pinos e rodas como se não se tivesse passado nada. E ama tudo o que é ginástica e dança. 
É um dos seres humanos mais fortes que conheço e foi para mim uma verdade lição e professora a provar que nada é impossível e que tudo pode acontecer. Basta querermos e não aceitarmos o que é nos dado como definitivo. [e obrigada ao espetacular fisioterapeuta Nuno Morais de quem está cheia de saudades e até já fala em partir mais alguma coisa só para lá voltar...]

O meu boy

sábado, agosto 27, 2016
É por causa dele que, vai na volta, encontro maçãs podres debaixo dos sofás, que tenho paredes de casa artísticas, que o cão rosna, que a bebé se ri à gargalhada, que descobri porque se diz que os meninos são apaixonados pelas mães, que com um filho não se pode relaxar, que lido com birras, que recebo os maiores abraços, que me delicio com boas gargalhadas que acabam já sem ar espojado no chão, que oiço as coisas mais inteligentes e questões para refletir, que tenho nódoas negras nas pernas por ser tão distríado que se esquece que as tenho, que repito mil vezes a mesma coisa, que discuto roupas e cortes de cabelo, que me atraso, que fico de boca aberta com a independência.
Está tudo aqui à flor da pele. O mau e o bom, a felicidade e a tristeza, a comédia e o drama.
Adoro-o com todas as minhas forças. Que, às vezes, são poucas também por causa dele. ;)
[Mãe, a sério que me posso molhar todo?!]


Digam lá o que mais odeiam fazer em casa...

sexta-feira, agosto 19, 2016
Há sempre aquelas coisinhas que nos enervam na lide doméstica. Cada mãe tem a sua, mas acho que ganham sempre o passar a ferro e limpar a casa de banho. Ou não?
Cá para mim, há três coisinhas que me passava a outro com facilidade:
-  Dobrar roupa, com especial ênfase no puzzle de meias desfazadas (haverá alguma explicação para o desaparecimento de meias nesta vida???)
- Gerir os restinhos, sobras e tudo o que se vai estragar em tupperwares do frigorífico. (hate!!!)
- Tirar a loiça da máquina (o meu marido fofinho sempre que pode liberta-me deste ódio de estimação)
Tudo o resto não me custa. E a vocês?
Ou queriam mesmo era estar nas Maldivas de cocktail na mão, sol do caraças e pernocas estendidas?!







Baby led weaning

domingo, agosto 14, 2016
Com algum esforço [refiro-me ao monetário], vou conseguir ficar em casa com ela até um pouco depois dos 7 meses. Iria regressar mais cedo mas consegui pôr tudo o que tinha de férias e folgas em atraso. Isto porque queria muito amamentar em exclusivo até aos 6 meses e fazer a transição para os sólidos devagar. Ao seu ritmo. Voltar aos 4 ou 5 meses deita tudo isto por terra. [Há qualquer coisa aqui nestes timmings que não bate certo, mas isso dava para outro post ;)]
Apesar de não ter praticado com os meus outros filhos, sou uma apaixonada pelo Baby led weaning há muito tempo, ou seja, "desmame conduzido pelo bebé". 
Trocado por miúdos, lentamente o bebé vai escolhendo trocar a maminha por alimentos, ao seu ritmo. Vai também ganhar gosto pela comida, descobrir sabores, trabalhar a motricidade fina e movimentos e ganhar autonomia.
Muito basicamente, o BLW é um método de introdução alimentar na forma de sólidos e não em sopas e papinhas. Ou seja, em vez de tudo moidinho, dão-se alguns alimentos específicos (fruta e legumes no início) aos bocados (grandes) de forma a que o bebé os consiga agarrar para lamber, saborear e comer o que e o quanto quiser. 
muitas regras, claro, mas os pediatras amigos do BLW defendem que desta forma até se reduz o risco de se engasgarem [o que mais assusta as mães nesta técnica] porque desenvolvem esse reflexo que têm e aprendem a evitar o engasgo.
A amamentação continua a ser a base e o cantinho para ele voltar se não estiver saciado, com fome ou sede. 
Estou ainda a estudar tudo isto, a ver como encaixo tudo quando não estiver com ela.
Claro que isto é mais fácil para quem está em casa com eles até mais tarde, mas com calma vou tentar este método e falar na escola sobre a possibilidade de o manterem lá. 
Falem com o vosso pediatra sobre tudo isto. Não façam nada sem estarem muito bem informadas. Eu estou nesse caminho ainda e vou partilhando por aqui as minhas decisões, talvez até com vídeos.
Mas, à partida, faz-me muito sentido. Só não sei se o vou conseguir fazer a 100% quando não sou eu a dar. Mas vamos ver.

Assim de regras básicas já aprendi que:
  • Alimentos duros como a cenoura, a maçã e a batata por exemplo têm de ser cozinhados [Nem podem ficar muito duros nem a desfazerem-se]
  • Bróculos e couve flor são ótimos alimentos para começar
  • Os bocados têm de ser grandes e finos por exemplo um quarto da maçã (sem casca)
  • O bebé se não consegue agarrar é porque não deve comer (a natureza está bem feita)
  • A família, irmãos, pais, devem tentar comer à mesa com o bebé porque ele imita o que vê 
  • Mais à frente, quando chegar por exemplo às uvas devem ser às metades, sem casca e sem caroços
  • Não se deve pôr no prato mas diretamente no tabuleiro da cadeira para evitar excesso de informação
  • É importante que se mantenha a amamentação até aos 6 meses e não se tenha dado, nem se dê, água com biberão normal. (Há uns que já imitam a maminha da mãe e eles têm de fazer o mesmo esforço como se estivessem a mamar).
Aqui vai um vídeo para verem tão giro:
http://youtu.be/JCQeAtLM7EE
Têm coisas para me contar sobre o BLW?
P.S. Acho que a minha baby [que fez hoje 4 meses] vai amar petiscar. Cheira-me, não sei porquê;))
Beijoooo