menu-topo

Sê bom, sê bom através de tudo!

quinta-feira, julho 26, 2012

Mensagem: Preciso da tua ajuda!


Resposta: Encontramo-nos amanhã?


(Tal e qual como foi para fazer as fotos do Socorro! Sou mãe...)


E é isto que me mostra que há boas pessoas no mundo.


Lá fui eu, com os meus


e cheia de iniciativas atrás


para encontrar luz ao fundo do túnel...


porque luz é com ela.


Assim, a troco de nada,


lá me direccionou


com um lanchinho


e uma tarde bem passada


cheia de gargalhadas


com os meus filhos de colete


a quererem boiar


fora de pé na piscina


e eu a entrar de jeans...



Com tudo isto,


e cheia de ideias a fervilhar,


esqueci-me de tirar fotos.


Já se sabe, em casa de ferreiro...


Vão haver notícias,


dela, minhas e das duas,


esperamos que brevemente.


A Mariana Sabido fez um refresh


 na sua casa,


 e se já tinha um aspecto apetecível dantes...


 agora está de se comer!


Têm mesmo de espreitar!



A mãe da Mariana - uma querida!!! -


recordou-me este livro da minha bisavó


e que fez parte da minha infância.



Adorava vê-lo reeditado


e, um dia, lê-lo aos meus filhos.


(Um livro que faz tanto sentido agora


que tantas Mariazinhas


rumam a África e a outros países)


Mas hoje trago-vos um tema dela


- Fernanda de Castro -


 que se adequa a este blog


e a mostrar que o tema maternidade


é afinal tão próximo dos nossos tempos


- mas sem epidural -:


O parto!!!


Escreveu assim (em 1986)


63 anos depois de ter estado


 em trabalho de parto


26 horas


para nascer o meu avô! 



"O António nasceu no dia 14 de Julho [de 1923], no signo de Câncer, no dia do aniversário da Tomada da Bastilha. (...) Durante vinte e seis horas julguei, a todos os instantes, que ia morrer. Se fosse hoje, o caso tinha-se resolvido facilmente com uma cesariana, mas, naquele tempo, por ignorância, ética ou sadismo, os médicos achavam que era assim mesmo, como a Natureza mandava e o mais que me fizeram foi darem-me um cálice de vinho do Porto, que me soube a veneno. De repente, quando julguei que já não havia salvação, o meu filho nasceu num grito que, se ainda era de dor, era já também de alegria, de imensa alegria! Fechei os olhos e todos julgaram que eu tinha perdido os sentidos. Mas não: o que eu queria era ignorar como o consegui, toda a parte menos bela daqueles momentos em que só se deveria ver astros, pássaros, flores! (...) o que eu senti ao ter nos braços um lindo bebé branco e rosado, completamente careca e com uns grandes olhos azuis muito abertos, logo nas primeiras horas de vida. Completamente esquecida das vinte e seis horas que passara num inferno, estava agora no céu, com o Menino Jesus nos braços!"



 


 Vivi 8 anos em casa dela.

Era uma pessoa do outro mundo.

Outro dia conto-vos mais coisas.

Agora quero continuar a explicar

- e desculpem o post tão longo -

porque é que ontem

foi um dia inspirador.

A Sabido deu-me o mote!

E o texto abaixo

onde o meu bisavô,

antes de morrer,

se despede do filho,

- meu avô -

fez o caminho

não só para próximos projectos

como para a minha vida.

Acho que está tudo aqui.

Nas pequenas coisas da vida

e nas gigantes.

Foi assim que fez a Mariana ontem.

E é assim que quero viver!

 

«Uma última recomendação: sê bom, sê bom através de tudo,

até quando tenhas de responder à maldade dos outros.

 A glória humilde, a glória íntima do coração é a maior

e a mais bela de todas.

 Não poder continuar a fazer bem aos outros,

 a ser, ao menos, gentil para com eles,

 é agora o meu maior sofrimento.»


 


E tudo isto no dia dos avós!


(Se há coisa melhor?!)


Quanto às novidades...


É esperarem só mais um bocadinho!


 


 


 

5 comentários:

  1. Tens umas origens lindas, daí teres uma família linda tb.
    beijos

    ResponderEliminar
  2. Olá Rita,

    Obrigado pela partilha
    Foi muito bom ler este post adorei a homenagem tanto a Avó como ao Avo........
    Um momento carregado de emoção... da boa ...verdadeira...sentida..vinda de dentro......obrigado

    Também tive uns Avós fabulosos... todos eles ....especialmente a minha Avó Raquel com a qual vivi quase desde sempre até que infelizmente teve de ir.........
    Aprendi tantas mas tantas coisas com a Avó , que não há dia nenhum que não fale de coisas ou "ditos" que a Avó dizia ou fazia aos meus filhos .....até as que eu achava que nunca iria fazer agora dou por mim a fazer !!!!!

    um beijinho
    Raquel

    ResponderEliminar
  3. Rita, simplesmente ADOREI este post!
    Palavras lindas, cheias de verdade. TÃO BOM!!!

    Quanto à Mariana... mesmo sem a conhecer bem nota-se a boa pessoa que é.

    Bjs para si, para os seus filhos (uns queridos) e já agora, para todos os avós.
    Eu já não tenho, mas tenho a minha mãe que já é avó, e que boa avó! Um orgulho para qualquer neto/a.

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Acho que deve ser o melhor conselho que um pai (ou mãe) pode dar a um filho. Fabuloso!

    ResponderEliminar
  5. bem.. nem tenho palavras...estou aqui esta hora meio que sensibilizada e a rever várias palavras que os meus avós me disseram e que as aplico em vida!... lindas as palavras e tão verdadeiras....

    mais uma vez obrigada pela partilha

    ResponderEliminar