menu-topo

Minha boca adoça...11

segunda-feira, outubro 15, 2012
Querida Rita,

Permita-me o à vontade mas, de tanto a ler, sinto que já a conheço!

Eu PRECISO do livro "Socorro! Sou mãe" porque desde aquele momento ao qual eu gosto de chamar "o momento da risquinha azul" tudo mudou. 

Descobri a gravidez às 13 semanas! Socorro!

Às 15 mudei de casa para vir viver com o papá, em casa dos papás dele! Socorro!

Às 18 tive um grande susto (que felizmente não passou disso) e fiquei de baixa médica por 10 dias.

Às 19 semanas (durante a baixa médica) fui despedida!

Descobri que no Sec. XXI ainda se despedem mulheres por estarem grávidas. SOCORRO!!!

E porque às 33 semanas continuo às voltas com a Segurança Social

que me indeferiu o processo de pagamento da pensão,

sem razão aparente. SOCORRRROOOOOO!!!!

Mas preciso, sobretudo,

porque as funcionárias da Bertrand já me olham com um ar estranho de tantas vezes que entro,

pego no seu livro, leio 3 ou 4 páginas e o deixo lá de novo.

Parabéns pelo seu livro, pelo seu blog

e um grande obrigada pelo alento que as suas palavras me deram

nos dias de maior aflição.

E Rita, deixe-me confessar-lhe que, por muitos Socorros! que saiam da minha boca,

estar grávida é, sem dúvida, a melhor aflição que já senti na VIDA! :)

Cumprimentos,

Mónica Chantre





(No âmbito de um passatempo)

9 comentários:

  1. Amei! Essa senhora merece uma gravidez feliz!

    ResponderEliminar
  2. Merece levar o livro para casa!

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente no século XXI ainda há despedimentos por gravidez. Às 10 semanas também tive um susto, fiquei de baixa 15 dias e tive que comunicar à empresa que ia ficar de baixa por estar grávida e... surpresa das surpresas... fui despedida! Infelizmente não somos casos únicos neste pais!

    ResponderEliminar
  4. Que amor e que bom ser reconhecida assim...amei e achei delicioso. Parabéns Rita, muito merecidos

    ResponderEliminar
  5. Sem dúvida nenhuma, merece um ou mais livros para passar a outra grávida "aflita de felicidade". :)

    ResponderEliminar
  6. Realmente, todos os dias me surpreendo com o nosso pais, e nem sempre com os melhores motivos. Sempre ouvi dizer "não te preocupes, não te podem despedir por estares grávida"... Pelos vistos, infelizmente tal não é verdade... é isso e ter de se marcar audiências na segurança social, para se poder resolver um problema em que eles nos devem €... Sim, porque Deus nos livre de sermos nós a dever a eles... tinhamos de pagar para ontem e mais nada... esta crise já me está a mexer muito com o sistema nervoso, depois este tipo de atitudes pior ainda... Desejo todas as felicidades do mundo á futura mãmã, e coragem, não para enfrentar a vida de mãe, porque essa vivemos com uma perna atrás das costas, mas para enfrentar as feras que nos estão a querer arruinar... beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Parabéns pela gravidez e pelo livro, Mónica. É incrível que eu achava que era a única que tinha sido despedida grávida, mas estou a ver que não. Eu estou grávida de 12 semanas, de baixa de gravidez de alto risco desde as 5 semanas, e assim que comuniquei que ia ficar de baixa recebi carta de fim de contrato. Este país é mesmo fantástico, não é?? Beijinhos para todas!

    ResponderEliminar
  8. Obviamente brincando um bocadinho... o pior é viver em casa dos pais DELE!

    ResponderEliminar