menu-topo

Poema mínimo para menino enorme

quinta-feira, junho 06, 2013
Parou.
Parou o tempo, a vida, a esperança
parou o sonho do que é ser-se criança
parou a justiça, a crença, a fé
parou quem seguia de carro ou a pé.

Pararam os planos e as intenções
parou desde o futuro ao presente
Pararam agendas e marcações
Parou o que tínhamos em mente.

Pararam as mães, os pais, os avós
Parou o sorriso.
Parou os que têm e os que não têm voz.
Parou o vento que passava no friso.

Parou o frio e o calor.
Pararam todos os problemas do mundo
Parou a dor, o sofrimento e até o som do imolador
Parou tudo um segundo.

Parou o bater do coração
- o sangue estancou nas veias -
Parou a respiração
e o canto das sereias.

Pararam as andorinhas
e as estações do ano.
Pararam no coro aquelas vozinhas
Parou Vivaldi que soava ao piano.

Pararam as ondas do mar
(ou pelo menos assim o parecia)
Parou o tempo e o ondular
Parou quem já nada sentia.

Parou tudo num abraço apertado
só para agradecer
para pedir por quem é nosso adorado
para nunca, mas nunca, desaparecer.

Parou tudo o que é pequeno
e parou tudo junto
parou quem estava apressado ou sereno
parou tudo mesmo em conjunto.

Mas nunca parou o amor
Que em nós fez nascer o Rodrigo
E mesmo com tamanha dor
no coração estará para sempre, vivo.

11 comentários:

  1. Simplesmente lindo!! Um Pequeno Grande Herói para sempre nos nossos corações!!

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Maravilhoso!!!! Ate me arrepiei!!!
    Beijinho
    Maria João

    ResponderEliminar
  4. ...roubei emocionada, desculpe...

    ResponderEliminar
  5. muito bom, Rita! um grande poema para um MENINO ENORME!

    Gisela Falé

    ResponderEliminar
  6. :(
    Tantos rodrigos que partem tão cedo...

    ResponderEliminar
  7. Parabéns Rita!
    Fiquei emocionada, chocada e com uma vontade enorme de parar o tempo e abraçar o meu Baby Boy.
    Beijinhos,
    Joana

    ResponderEliminar
  8. Muito Bonito Rita, não contive as lágrimas ao ler este seu poema. Sendo católica, nestes momentos, nunca consigo ter a grandeza da Paz, nasce sempre em mim a Revolta do Porquê. Tendo dois filhos pequenos, sobrinhos, amiguinhos e todas as crianças do mundo no coração, não entendo como é possível, como é que Deus deixa que isto aconteça. Uma grande falha na minha Fé, que não consegue alcançar essa plenitude. Descansa em Paz Bebé, que outra oportunidade te seja concedida, onde quer que estejas. Um beijinho também para si Rita, de outra Rita

    ResponderEliminar