menu-topo

Da estrada.

segunda-feira, julho 21, 2014
IMG_3672Aventurei-me nos 400 kms para lá e 400 para cá. Sozinha, com dois filhos, um cão, 3 malas, saco fotográfico, bolachas, música e pouco mais. Marido com trabalho e avós de férias com saudades apressaram a ida.
Penso sempre que ir é o melhor remédio. Que voltar é bom, mas que no ir se cresce, se vive. Que no ir nos conhecemos de outra forma. Que todos merecem ir. Nem que seja ali ao lado, mas sair é importante.
Não levo ipads, nem outros silenciadores de crianças, para quem perguntou.
Não sou muito fã do uso {sou muito contra o abuso} embora às vezes perceba que dão muito jeito. Nem tenho, aliás. O meu marido tem mas acho que nem nunca lhe mexi, ao contrário da girl que faz aqueles olhos-derrete-pais para ir brincar nas suas aplicações. Normalmente, são a tratar de cãezinhos, pentear a Barbie, etc...
Levei muita paciência, mas acima de tudo alegria pelo privilégio de umas férias no Minho.
Habituada a acordar às 5 da manhã, aproveitei e foi a essa hora que me fiz ao caminho. Foram de pijama que mais tarde, no carro durante uma das mil paragens, lhes troquei por uma roupita confortável num saquinho à parte. Tinha saquinhos para eles, para mim e para o cão. É aliás este, ou talvez a conjugação canino/crias, onde os percalços acontecem.
Não encontrei nenhum sítio onde à porta se pudesse prender o cão. Prendi em caixotes do lixo, grades, qualquer coisa que desse para o deixar uns minutos e levar os filhos ao WC. E rezei para que ninguém o levasse. [Lindo como é... ;)]
Satisfeitas as necessidades mais básicas dos seres humanos, coloquei-os nos baloiços que, incrivelmente, existem em todas as estações e por ali, no raio de 10 metros [no máximo], passeei o 4 patas.
Podia ser muito mais fácil. Seria, claro, se fossemos dois adultos. Mas a estrada não está mesmo preparada para uma família monoparental [ainda que temporária] e com animal doméstico ainda menos. A logística de conciliar tudo isto é muitas vezes um quebra-cabeças de forma a que tudo corra com segurança.
Descobri (com tanta experiência que vivi) um bom truque. Em vez do wc da Bomba ou do Restaurante ia à de fora, normalmente utilizada pelos camionistas. E aí entrou tudo. Mãe, filhos e Buddy... Todos de mãos ao ar e ninguém toca em nada!!! Nem sequer respiram!!
Surpreendentemente tudo correu bem. Não houve [muitas] lutas, nem [muitas] birras, nem [muitos] dramas. Ninguém foi roubado, se perdeu ou teve de ser trancado no carro. Apesar de no primeiro minuto em que se sentaram, perguntaram: Falta muito? {e confesso que aí me assustei.}
Quanto às férias em si?! Não percam as fotos nos próximos capítulos. <3

 Siga o Socorro! Sou mãe... e o Crush no Facebook e no Instagram

7 comentários:

  1. :) Que aventura!!
    Quando vou ao WC na áreas de serviço com pirralho, deixo os canitos um bocadinho dentro do carro (fechado claro e sem alarme a funcionar), depois é que pego nos canitos (que são 3) e vamos passear.
    Não tenho coragem de os deixar presos na rua, ainda os levam....existe gente para tudo.

    ResponderEliminar
  2. O que eu me ri quando li sobre a ida à casa de banho: "Todos de mãos ao ar e ninguém toca em nada!!! Nem sequer respiram!!" Eu sou exactamente assim!!! Não é fácil, nem para todos... Mas no final compensa...Boas férias ;)

    ResponderEliminar
  3. Olá Rita,

    Já vi que correu bem a viagem e que engraçada foi a descrição :-)
    Fico aguardar fotos...

    Que tenham sido uns excelentes dias recuperadores de energia!

    Beijinhos***
    Joana

    ResponderEliminar
  4. olá Rita.Sei bem o que isso é,quando o meu filho tinha 3 meses fiz a primeira viagem sozinha de 400km. Sozinha com o bebé e um cão de 86kg. Nunca me hei-de esquecer da cara de uns gnr parados na estação de serviço quando me viram a amamentar o meu filho no carro e a tomar conta do cão que aproveitava para esticar as pernas ;-)

    Beijinho

    Bárbara

    ResponderEliminar
  5. Parabéns Rita por ser desenrascada e por não usar "silenciadores de crianças"!! No nosso carro também é assim, quer vá só eu ou com o pai, as crianças podem ouvir música (aprendendo a escolher à vez e a respeitar as escolhas dos outros), conversamos, fazemos jogos variados e adaptados às idades e dormimos. Não há ipads, consolas, dvd's. Como o mais velho já vai fazer 13 anos deixo-o ouvir um pouco de música no mp3 com fones, mas não o tempo todo. A adolescência já pede um pouco de privacidade! Os mais pequenos têm 10 e 6.
    Obrigada pela sua partilha! Beijinho, Sara

    ResponderEliminar
  6. Mas o cão não pode ficar dentro do carro?.. eu tenho uma boxer e uma pinscher .. fcam á vontade dentro do carro.. claro que teem direito a passear e esticar as pernas mas poderia levar os miúdos ao wc e deixar o cão no carro..

    ResponderEliminar