menu-topo

Os pensamentos do Eduardo Sá...

sexta-feira, setembro 26, 2014
deviam ser emoldurados.
Ler esta entrevista, consumir todas as letrinhas deste novo livro.
Feliz porque oiço isto tantas vezes. Adoram a escola mas quase todos os dias o boy diz que não quer ir  e a girl pede-me para a ir buscar mais cedo. [Sendo que a vou buscar às 15h.] Está tudo certo. A escola é importante mas o que lhes faz mesmo bem são os pais. Falta tudo o resto entender isso.
Abaixo os tpc, abaixo os quadros de honra, abaixo as exigências. Menos escola, mais pais. Isso é que faz bem às crianças. É embrulhar e enviar ao ministério e às empresas. Obrigada!
Hoje Não Vou à Escola! - SÁ, EDUARDO
E nesse mundo secreto, só raras vezes se abrem minúsculas frinchas, através das quais, se estivermos atentos, os conseguiremos escutar, entre colheradas de sopa ou uma história por contar. Ouviremos então, em parcas palavras (porque há um código! e da escola não se fala), que do “outro lado”, as aulas são demasiado longas, os intervalos demasiados curtos – um lanche engolido, uma ida à casa de banho – e nem sobra tempo para brincar. Mas disso não sabemos, ou sabemos pouco. Porque quando chegam está na hora do trabalho de casa (que na verdade é o trabalho de escola), está na hora de pesquisar na Internet (onde na verdade pesquisamos nós); e no fim de tudo resta um beijo, quase culpado, boa noite e até amanhã. É este o mundo deles, tão longe do nosso. Mas se nos tornássemos melhores “escutadores”, talvez não fosse preciso mais nada, porque eles dizem-nos tudo o que precisamos saber. Vamos então escutá-los.


Eduardo Sá é Psicólogo Clínico e Psicanalista. O Professor da Universidade de Coimbra e do ISPA, é autor de artigos e de livros científicos na área da Psicanálise e da Psicossomática, e de livros de divulgação no âmbito da saúde familiar e da educação parental. Colabora, atualmente, na Antena 1, no Jornal Expresso e na RevistaPais & Filhos.
Gosto das crianças que, mal se levantam, irredutíveis e rezingonas, declaram: “Hoje, não vou à escola!” Porque, por mais que não pareça, sente-se que lutam pelo amor da escola todos os dias.
A escola é o mundo delas, das crianças. É o mundo secreto onde os nossos filhos habitam, tão perto e no entanto tão longe; onde as horas passam sem que saibamos realmente como. Até ao momento mágico em que nos são devolvidos e já é tarde demais: o banho e o jantar apressado, e a cama à espera porque amanhã é um novo dia.


5 comentários:

  1. Adorei a entrevista ... o ano passado a Catarina não tinha actividades extra-escola por não ter ainda idade para as fazer então achei por bem ter inglês na escola...correu bem e ela até gostou ....este ano com natação e ballet , já ponderei não haver inglês... porque acho que ela têm idade é para brincar! correr saltar gritar ...estravazar! vai ter muito tempo para estar fechada entre 4 paredes a estudar! ...esta entrevista veio ao encontro do que eu já pensava.

    obrigada por estas partilhas de entrevistas.

    beijinhos inês

    ResponderEliminar
  2. olha Rita recebi ontem o livro, e acho que vou oferecer um ás professoras das minhas filhas.

    Bom dia

    Maggie

    ResponderEliminar
  3. Revejo tanto estas palavras no exemplo lá de casa... E sim, quase todos os dias dou aquele beijo culpado quer por não ter tido tempo nenhum para estar com as minhas filhas como também porque, no pouco tempo que estive, a paciência foi pouca, abafada pelo stress de fazer o jantar, dar banhos, ajudar com os TPC's e preparar o dia seguinte. Sinto todos os dias que o tempo nos está a ser roubado muito para além do inevitável...

    ResponderEliminar
  4. Obrigada pela sugestão! Adorei a entrevista!

    ResponderEliminar
  5. Eu também sou do clube anti TPC durante a semana, não gosto de ver a minha filha de "castigo" numa secretária quando chega a casa depois de ter estado o dia todo longe de nós. Detesto isso e mais quando a irmã quer tanto brincar com ela. Infelizmente sinto-me tão sozinha neste clube. Pelo menos sou a única dos pais dos alunos da turma da filhota :(

    ResponderEliminar