menu-topo

No céu a olhar por mim de Marta Aragão Pinto

sexta-feira, outubro 10, 2014
Perder pai e mãe é super natural. É o percurso normal das coisas. Mas haverá um catálogo de dores? Dói quanto perder os dois? E em que idades se sofre mais? E como se vive daí para a frente?

A minha "mana" Marta Aragão Pinto perdeu os dois. Foi na altura em que a ganhei. E que ganhei uma irmã. [Ele há coisas...] 
Obrigada pela honra de me convidares para apresentar. Foste um presente do céu.

1 comentário:

  1. Também perdi os meus pais com três anos de diferença e ambos com 43 anos. A minha mãe faleceu sensivelmente um mês depois do meu filho ter nascido, um dia antes de ele ter alta da área de neonatolgia depois de várias operações e dias em que se vive um segundo de cada vez. Quando os perdemos fogem-nos as raízes mas é nessa altura também que, felizmente, as arraigamos em outros corações, que apesar de não mudarem a tristeza minimizam a dor. Que bom que esteve lá para ela e ainda está ;)

    ResponderEliminar