menu-topo

Tenho medo.

quinta-feira, outubro 23, 2014
Tenho medo que caiam, que se magoem. Tenho medo que cresçam. Tenho medo do que comem, tenho medo quando não comem. Tenho medo nas alturas, nas piscinas, no mar. Tenho medo do que vão ser, dos caminhos que vão escolher. Tenho medo das companhias, tenho medo que se sintam sós. Tenho medo das drogas, do álcool, das noitadas. Tenho medo dos carros, das motas, das parvoíces. Tenho medo do futuro. Tenho medo que não olhem o passado com carinho. Tenho medo das praxes, das doenças, das dietas. Tenho medo de não lhes ensinar a sorrir, a ser inteiros, a ser agradecidos. Tenho medo dos desgostos que vão ter, das mágoas que podem guardar, dos traumas que possam ficar. Tenho medo da poluição, do crime, do cancro, dos pesticidas, dos remédios. Tenho medo das guerras, das pandemias, dos alertas falsos, dos atentados, da insegurança. Tenho medo do mundo daqui a 20 anos. Tenho medo da concorrência desleal, da ausência de valores, do desemprego, dos abusos dos empregadores. Tenho medo que não encontrem a sua vocação. Tenho medo da falta de oportunidade. Tenho medo do azar. Tenho medo que se deixem vender por dinheiro, tenho medo da ambição. Tenho medo da pobreza. Tenho medo que não agarrem a vida, que lhes passe ao lado. Tenho medo que sejam demasiado radicais. Tenho medo que não guardem amigos, tenho medo dos falsos amigos. Tenho medo que não sejam solidários, boas pessoas e que não tenham compaixão. Tenho medo que não tenham fé. Tenho medo que percam a esperança. Tenho medo dos sismos, dos tsunamis, e de tantas catástrofes naturais e tenho, sobretudo, medo se acontecerem quando não estamos juntos. Tenho medo do sol, da camada de ozono. Tenho medo do mercúrio nos peixes, das toxinas na carne, dos químicos nos vegetais. Tenho medo das radiações dos aparelhos eléctricos. Tenho medo do excesso e da falta de informação. Tenho medo da falta de cultura. Tenho medo do sexo descomprometido, tenho medo que se anulem por amor. Tenho medo da falta de amor. Tenho medo que não se entreguem, tenho medo que se deixem ficar por conforto.Tenho medo que não sejam felizes. Tenho medo de ter medo e de lhes passar medo. Tenho medo de lhes faltar, tenho muito mais medo que me faltem. Sou mãe.



62 comentários:

  1. Este deve ser o post mais lindo partilhou por aqui. Parabéns. É tudo isto.Vou partilhar.

    ResponderEliminar
  2. "Tenho medo de lhes faltar, tenho muito mais medo que me faltem." Eis o meu maior medo!

    ResponderEliminar
  3. Rita, por tudo o que descreve parece me pouco provável que passem por muitas destas situações. São crianças muito amadas e nem acompanhadas e bem orientadas. Todas as experiências que tiverem vão servir para os ensinar para se protegerem no futuro. Faz parte. Não podemos Castro los, temos de os deixar viver, sempre debaixo do nosso olhar. Os nossos pais também tinham esses medos e nos crescermos com todo o que a vida nos trouxe e estamos aqui. Firmes e bem formados para eles, é assim que eles vão ser. Livres, saudáveis e sem angústias. Um beijo Margarida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São coisas que nos passam pelo pensamento, era o que eu queria dizer.
      De resto vou tentando dar o meu melhor...;)
      Acha que os nossos pais tinham tanto medo? Eu por acaso acho que agora sabemos tanto que temos mais que eles ;)

      Eliminar
    2. Claro que nos passa pelo pensamento, mas a nossa calma, vai dar lhes segurança. Acho que os nossos Pais não tinham tantos medos, e se tinham, escondiam-nos, como nos esconderam tantas outras coisas porque não era suposto nós apercebermo-nos.

      Eliminar
  4. Tão verdadeiro e tão bonito. Emocionei-me. Beijo

    ResponderEliminar
  5. É por isto que cá venho todos os dias. Não há blogue como este!
    Beijinhos
    Paula

    ResponderEliminar
  6. Lagriminha da manhã!!
    Grande beijinho Rita*

    ResponderEliminar
  7. lindo. e tão verdadeiro

    ResponderEliminar
  8. Rita... deixou-me de lágrimas nos olhos... Há muito tempo que penso em escrever sobre "os meus" medos, que ao que parece não são só meus, e ainda não consegui, mas penso tanto mas tanto no que fala aqui neste texto... os maiores medos para mim são definitivamente os últimos de que fala. Tenho muito medo de lhe faltar e que ela me falte, é um medo avassalador, uma coisa que às vezes me sufoca e tenho de dar assim uma basta, se não fico louca! Somos mães é isso mesmo. Beijinho grande e obrigada por esta partilha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada querida Ana
      Um beijinho gigante e sem medo! ;)

      Eliminar
  9. Tenho todos os dias medo, todos. É de sermos mães...e eu ainda para mais estou grávida...é medos a triplicar!

    ResponderEliminar
  10. É uma das condições de mãe, aprender a conviver com o medo.
    Não é nada fácil.
    Obrigada pelo texto!

    Ângela

    ResponderEliminar
  11. oh Rita, quando a Rita solta as palavras... <3 Um belíssimo texto, catártico, porque é preciso por estas coisas por palavras para no final de escrever (e de ler) podermos respirar bem fundo e move forward, mesmo com medo...

    ResponderEliminar
  12. Minha querida, que bonito..o problema é que os medos persistem quando crescem e saem do ninho..A minha filha mais velha com 18 anos está a fazer 6 meses de voluntariado em Espanha, todos os dias falamos e todos os dias tenho medo que lhe aconteça alguma coisa, mas também sei que está feliz, está realizada e tem um mundo de sonhos para alcançar, a mais nova com 14 começa a querer ser "crescida" e lá vêm os medos....é uma das condições de ser mãe..ter medo e querer proteger a vida toda..ainda hoje a minha mãe me tenta proteger sempre que pode...não há nada mais bonito ! muitos beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é um medo para a vida querida Teresa. Estou ciente disso.
      Um beijinho enorme e para toda a família

      Eliminar
  13. Tal e qual Rita.
    Depois de ser mãe os meus medos aumentaram abruptamente!!!!!! Faz parte...mas assusta!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Curioso, vinha a pensar exactamente sobre isto, hoje, no trajecto para o trabalho! Os medos... We are not Alone :-)!

    ResponderEliminar
  15. Obrigada Rita, por este texto tão bem escrito, tão cheio de "medos" que todas nós sentimos... É isto ser Mãe (e Pai também), mas é tão difícil ser racional e controlar todos estes medos!

    ResponderEliminar
  16. Rita,

    Fiquei de lágrimas nos olhos a ler este post, pois partilho todos esses medos.
    Percebi, no entanto, que não sou "paranóica" e que há mais mães com medos iguais aos meus e que, provavelmente, esses medos fazem parte de amar desta forma desenfreada, serão uma parte constante desta "coisa maravilhosa" de ser Mãe!
    Raquel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que querida! Sim, quando nasce uma mãe nascem mil medos;)
      É condição!
      Beijinhos enormes

      Eliminar
  17. É isso tudo! Acrescento que com Fé o medo se dissipa e a confiança aumenta! :D

    ResponderEliminar
  18. Tenho os mesmos medos, por isso não quero ter mais filhos, melhor preocupar com apenas 1 do que 2. E se eu voltasse no tempo não teria era nenhum.

    ResponderEliminar
  19. Tenho medo que não sejam felizes, seja de que maneira for!

    ResponderEliminar
  20. obrigado por este texto. tb partilho dos mesmos medos como mãe. Vou partilhar no meu blog se não se importar.

    ResponderEliminar
  21. tenho medo de isso tudo e muito mais.... Adorei o post, Haja alguém que me entenda!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) heheheh muita gente a entende. Todas as mães do mundo!

      Eliminar
  22. uiiiiii tenho medo também ...até chorei a ler o texto ... tal e qual ....

    inês

    ResponderEliminar
  23. ¡¡Qué post tan bonito!! ¿El texto es tuyo? Me ha encantado. Ser madre es todo eso pero las alegrías compensan los miedos, ¡por suerte!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Es mío , sí !
      Gracias y volver más a menudo !
      un beso

      Eliminar
  24. É isso tudo mesmo! Penso que tocou no coração de todas as mães que a leram... Parabéns :)

    ResponderEliminar
  25. Adorei tudo....revejo-me em cada palavra...vou partilhar.

    ResponderEliminar
  26. Obrigada por pôr em palavras tudo aquilo o que nós, mães, sentimos. E por nos fazer sentir que não estamos sozinhas.

    ResponderEliminar
  27. Em cheio Rita! É que não faltou palavra nem ponto! Comoveu-me imenso e confortou também :) Isto de ser mãe é do "maior" que há. Cabe-nos tudo no coração, dos medos aos planos, das inseguranças à esperança. Que não nos falte nunca tudo o que nos preenche. Um beijinho, Joana FN

    ResponderEliminar
  28. Sem dúvida um post sentido! Parabéns e continue a escrever assim com o coração. Beijinhos

    ResponderEliminar
  29. Olá, a Caco partilhou e foi assim que aqui cheguei. Parabéns e obrigada pelo texto.
    Atrever-me-ia a acrescentar que partilho todos estes medos, mas é ao vê-las e senti-las (as minhas meninas) crescer que elas me ensinam a sentir todos os dias um bocadinho de menos medos:)

    ResponderEliminar
  30. Estas palavras cabem tão bem em mim. Obrigada por nos dar tanta inspiraçao Rita!

    Estou a precisar tanto de uma sessao assim :)

    Bjs

    ResponderEliminar
  31. Meus medos, sem tirar nem por...também sou mãe

    ResponderEliminar
  32. O nosso mundo realmente muda quando somos mães...é tudo mais intenso! adorei o texto.
    um beijinho!

    ResponderEliminar