menu-topo

Mãe, quero ir viver para uma instituição!

quinta-feira, julho 23, 2015
[um post que não é ficcionado.]
A minha filha gosta de fazer pinos contra a parede no sofá da sala. Tudo certo. [Quem não gostou...]
A habilidade acontece exatamente entre os meus quadros preferidos (paciência...) que de vez em quando caem [1,2,3,4,5...] e a parede pintada de novo (ai....) começa a ficar suja.
Aceitei tudo isto - até com boa cara - mas pedi-lhe que calçasse umas meias para minorizar os danos.
[Odeia meias. Mesmo. Prefere duches de água fria no inverno.]
Bem... A juntar ao cansaço vem uma choradeira, pega em dois sacos dos grandes de supermercado, enche um de brinquedos e outro de roupa. Dirige-se à porta de casa e diz:
- Mãe, eu quero ir viver para uma instituição.
Balancei entre a injustiça [bolas, esforço-me tanto] e o cómico da situação. Tinha uma lágrima a embaciar-me a visão que não percebi a qual dos dois factores se devia.
Continuou:
- Mãe, a minha amiga que vive numa instituição diz que há lá uma sala enorme. Eu quero ir para lá para fazer pinos à vontade. Eu odeio meias.
Argumentei como gente grande. Tentei explicar-lhe a importância da família. [Mãe mas a minha amiga é feliz, disse-me ela]. Continuei. Contente pela amiga.
Mostrei-lhe o quanto nos ia fazer falta.
[O irmão, com isto tudo, ia chorando baba e ranho até perceber que podia ficar com a cama dela].
Falei-lhe de nós, do Buddy, do quanto ela nos faz falta todos os dias, minutos, segundos.
Não a demovi. Convenci-a a esperar pelo pai para termos uma conversa em família. Era uma decisão muito importante para eu tomar sozinha. Percebes filha?
[Eu tenho a certeza que a mãe não me vai deixar ir viver para uma instituição!!!] 
Quando ele chegou à noite, falou também sério. [Parecia uma família de doidos.]
Para além de concluir que a instituição onde está a querida amiga da minha filha é ótima, percebi que os devemos levar a sério, que é tão bom eles conhecerem tantas realidades diferentes e que há sempre oportunidade para lhes mostrarmos que são importantes para nós.
P.S. Ela agora até goza: Oh mãe, e quando eu queria ir viver para uma instituição?!



4 comentários:

  1. Rita o Duarte com 3 anos aparece-me na sala á noite, com a sua mala dos carrinhos, todo vestido e diz: " Mãe, pode-me levar ao "aíroporto"?! Vou para Inglaterra viver com o Avô Miguel!!!!! " ahahahhahaah

    ResponderEliminar
  2. Houve quem levasse a filha de facto a uma instituição para a menina ver a realidade que é viver sem uma família. A partir daí deu mais valor a tudo que tinha...

    ResponderEliminar
  3. Eu também fiz pinos contra a parede... até ao dia em que estraguei um quadro em casa dos meus Pais com um sapato e o furei!!! Não me lembro da reprimenda, lembro-me que em altura de avaliações de bens, ele valia menos de 1/3 por minha causa e eu senti-me tão culpada...

    ResponderEliminar
  4. oh Deus!
    Rita é bom que ela perceba que há coisas que não se podem estragar.
    Quanto ao resto...sempre fui mt feliz mas também planeia "fugas de casa", preparava mochilas e tudo;)

    ResponderEliminar