menu-topo

O meu movimento destralhar

quinta-feira, novembro 17, 2016
Foi um movimento que instalei cá em casa e que já muitos conhecem. Basicamente o objectivo é ter menos coisas, menos tralha, menos para limpar e arrumar, gastar menos, ter menos. Para ter mais. Mais paz, mais tempo, mais dinheiro.
Uma mudança é uma grande ajuda para destralhar. Aproveita-se e "manda-se" meia casa fora. Sem dó, nem piedade.
Aceitei que o meu corpo não vai voltar ao que era antes de ser mãe e vestidos ridículos, calças que nunca mais entravam e tudo o resto que esperava esse dia que não vai chegar foram à vida. Tudo o que não vesti na estação passada e não é básico ou tipo vintage já foi também. Botas de cano alto, encharpes de cores estranhas, coisas que achava giras mas que usei uma vez na vida, casacos e casacões (será preciso ter tantos assim?!) dei tudo a quem mais precisa.
Ainda continuo a filtrar o que entra cá em casa. Até os miúdos fizeram uma enorme seleção. Estragado, partido, fora da idade, ou que já não dá gozo, foram para os seus respectivos sacos para seguirem viagem.
Aqui segue uma das minhas decorações cá de casa, minimalista, mas com significado. E tudo o que é necessário guardado em gavetas e armários, para não ganhar pó e não se ver. Truques que roubei por aí para uma casa clean, branquinha e destralhada.
O Fado que é esta obra de arte linda em macramé da Ana Morais foi a peça que imaginei, e a única meramente estética que comprei, quando pensei no meu quarto. E ela foi tão hiper profissional e percebeu a minha vontade que fez chegar a minha encomenda num ápice. E em menos de nada o meu quarto ficou pronto.
Queria que fosse a única grande estrela. E acho que é.
Inspirei-me na ideia dos candeeiros no pinterest, claro, e as lâmpadas vintage que já se vendem em todo o lado e o serem suspensas e em tipo grinalda dá muito mais espaço às cabeceiras, resolve o pó e não ocupa espaço. (Atenção vejam bem as voltagens para não gastar muita eletricidade.)
Adoro uma casa com pouca coisa porque dá aquela ideia do estarmos numa casa de férias. E é somo me quero sentir aqui. Ainda não me sinto porque não vos mostrei os caixotes que tenho para desempacotar. Mas hei-de sentir. ;)


5 comentários:

  1. E não se pode ser minimalista com bom gosto e em bonito?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que pode tem aqui um perfeito exemplo disso.

      Eliminar
  2. Olá Rita, não tem nada a ver com o tópico do post, mas queria saber se me conseguia dizer o que achou das fraldas Mita das quais falou anteriormente? Gostou? Obrigada! E adoro o quarto! Fiz o último workshop com a Ana cá em Lisboa e adorei! Faz realmente coisas cheias de pinta e super simples. beijinho

    ResponderEliminar