menu-topo

Trazer a ternura para a escola.

sexta-feira, janeiro 13, 2017
Querida professora.
Obrigada por não gritar. Obrigada por me inspirar. Por fazer das equações duras do livro de matemática uma descoberta emocionante das minhas capacidades.  Obrigada por não fazer contas aos meus erros mas somar as minhas qualidades.  Obrigada por fazer do Português poesia. Das palavras poemas, das letras, obra. Obrigada por me ensinar que a geografia da aprendizagem tem vários caminhos e que a paixão deve percorrer esse mapa. Obrigada pela química, mais forte que as propriedades da matéria. Obrigada por me fazer apaixonar pelas matérias que não gosto. Por me fazer superar. Obrigada por não me humilhar quando não sei. Obrigada por juntar amizade às metas curriculares. Obrigada pela ternura. Obrigada pelo abraço quando não me portei bem e pela festa na cabeça quando tive má nota. Obrigada por não me comparar. Obrigada por ver sempre o meu lado bom. Obrigada pela força e motivação para fazer melhor. Obrigada por ensinar com paixão, com calma e com alegria. Obrigada por fugir ao programa e enchê-lo de exceções à regra. De escapar à matéria para agarrar emoções. Obrigada por dizer que eu sou capaz. Obrigada por falar sempre baixinho comigo. Obrigada por acreditar em mim. Por me curar quando me magoo . Obrigada pelas memórias. Obrigada por me ensinar a descobrir o mundo com curiosidade. Obrigada por me deixar interromper para questionar. Obrigada por me explicar. Obrigada pelos elogios. Obrigada por ser minha amiga. Obrigada por perceber que a sua vitória é a minha vitória. E que o meu fracasso é também o seu fracasso. Obrigada por querer "queixinhas" e me defender do menino crescido. obrigada por me levar a sério. Obrigada por não me pôr de castigo. Obrigada por conversar comigo. Por me explicar o mundo com calma e entusiasmo. Obrigada por me mostrar o caminho. Obrigada por me deixar subir às árvores e mexer na terra. Obrigada incluir os meus pais e os ver como amigos. Como parceiros. Como uma família. Obrigada por ter a porta aberta quando chego atrasado. Obrigada por me deixar descansar quando chego a casa. Obrigada por me deixar brincar. Obrigada pelas gargalhadas. Obrigada por me conhecer tão bem.
Obrigada por ser a minha mãe da escola.

[Post dedicado à professora Amélia e aos professores/pais como ela].
Se quiserem partilhem com a vossa ou se não, exijam que se traga a ternura para a escola.



7 comentários:

  1. Bom dia Rita.
    Gostei muito deste seu post. Na verdade, por coincidência, reconheci a cara do seu pequenote a brincar com um vizinho meu no recreio, quando há pouco tempo fiz um trabalho num edifício que fica ao lado da escola. É precisamente nessa escola, que fica no cimo da minha rua, que pretendo inscrever o meu filho, que entra no primeiro ano em 2017/2018.
    Com o seu depoimento, imagino que só tenha elogios a fazer.
    Actualmente tenho os filhotes numa escola da Santa Casa, que tem ensino primário, pelo que necessito de coragem e alguma segurança para tomar a decisão de mudar o mais velho para o ensino público. Quero ter a certeza que numa escola maior, vão continuar a dar-lhe "colo", quando for preciso.
    Obrigada pelo "empurrão" ;)
    MB

    ResponderEliminar
  2. Um obrigado a todas as professoras que ensinam com paixão e ajudam as nossas crianças a serem ainda mais felizes!

    ResponderEliminar
  3. Vou partilhar. A Rita consegue tocar na ferida. Era bom que muitos professores lessem isto e se inspirassem. É pena que hoje em dia não se seja professor por vocação, mas porque não se conseguiu mais nada.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo
      Hoje, quem vai para professor, paga para trabalhar. Só fica numa escola, quem gosta mesmo de ensinar. É tão duro e tão mal pago este trabalho!
      Ana Bela

      Eliminar
  4. Que lindo!
    Já agora, os seus filhotes foram para a escola com que idade?

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foram cedinho. entre os 7 (a mais nova) e os 9 meses (os mais velhos.)
      Mts beijinhos

      Eliminar
    2. Olá Rita

      Obrigada por responder!
      Estou num sufoco a pensar no tema e a bebé só nasce em maio!!!

      Eliminar