menu-topo

[E]namorados com filhos

quarta-feira, fevereiro 15, 2017
Nós namoramos 365 dias [e em anos bisextos 366}] cheios de intermitências e seduções interrompidas. [Bem, às vezes nem namoramos na verdade]. Nós somos aqueles que não se atrevem a levar pequeno-almoço à cama porque, obviamente, vai sobrar para nós. Aliás cama, raramente, é só para dois e há muito que deixou de ser um local sensual. Passou a comunitário, sobrelotado, em jogos de força por um bocadinho de descanso, espaço e de edredão. Lá trocamos fraldas, dobramos roupa, e atiramo-nos mortos ao final de cada dia. Nós não podemos fazer conchinhas sem mini braços de polvos entre nós, ou um joelho na boca. Nem podemos ficar na ronha ao fim de semana, ignorar refeições, e não fazer a ponta de um corno. Nós precisamos de fazer contas aos (curtos) tempos mortos para dar dois dedos de conversa [ou um até], para um olhar mais intenso, para uma mensagem subliminar. Às vezes, o barulho da casa é tal que nem com um desenho chegávamos lá. Nós dormimos aos bocados, estamos cheios de olheiras e a roupa do dia só é trocada pelo pijama. O nosso presente para a cara metade é comprado, com sorte, num supermercado banal misturado com legumes, iogurtes e carne congelada. E não é fácil ser-se criativo apenas com a opção do corredor dos produtos de higiene [e é chato dar todos os anos desodorizantes]. Nós até podemos preparar um jantar romântico a dois, mas há sempre umas nódoas, uns pesadelos ou um belo xixi na cama, a fazerem-nos lembrar que não estamos sozinhos. Aliás, os dias especiais são escolhidos a dedo para serem alvo de pausas ou mesmo de quebras. [Olha fica para o ano...] O mais romantico que se consegue neste dia é, ao cortar uma cebola, imaginar-mo-nos em pleno jantar afrodisíaco. Corações e flores só nos cheira a mais coisas para limpar e chocolates irritam mais tarde por não termos resistido a comer a caixa toda. Nós não podemos usar a desculpa dos dias dos namorados para uma fuga a dois porque esgotámos as deixas para os avós com doenças, reuniões na escola, idas ao supermercado. Nós aprendemos a namorar de outra maneira. E [quase] todos dizemos que é melhor.

9 comentários:

  1. Ahahaha Obrigada Rita por ser tão verdadeira! Adoro-a! Melhor post!

    ResponderEliminar
  2. AHHAHAHHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHHAHAHHAHAAHHAHAHAHAHHAHAHAH

    ResponderEliminar
  3. Obrigado por esta partilha tão verdadeira, relata na perfeição o quanto os filhos mudam a nossa vida mas, embora com tantas diferenças mudam sem dúvida para melhor.

    ResponderEliminar
  4. Estranhamente é mesmo melhor agora, mesmo a ter que pegar na bebé a toda a hora para ela não se irritar e ficar com eczema, mesmo a ter que limpar o vomitado da mais nova ás 7 da manhã... mesmo a dormir quase nada e a correr o tempo todo, olho para o meu namorado e nunca o achei tão sexy e tão interessante. O nosso cérebro está muito bem programado para isto da maternidade. :P

    ResponderEliminar
  5. Nós namoramos a quatro.... e é de facto ma-ra-vi-lho-so!!!!!

    ResponderEliminar