menu-topo

Agradeço.

sexta-feira, março 03, 2017
Agradeço o corpo diferente, as olheiras, o cabelo mais fraco. Agradeço as duas cicatrizes (de 3 cesarianas), o peito menos firme, [tudo menos firme]. Agradeço as noites mal dormidas, as não dormidas de todo, as às claras e as em branco. Agradeço as vezes que caí no sofá. Agradeço as unhas não pintadas, as pontas espigadas, as raízes por fazer, a maquilhagem por tirar, a falta de creme no corpo, a pele seca. Agradeço os dias e as noites, as estações do ano, todos os segundos. Agradeço as séries que perdi, os programas que não pude ir, os cinemas, os teatros e os concertos que não vi. Agradeço as doenças comuns, as pequenas feridas e as coisas passageiras. Agradeço os amuos, as birras e as desobediências. Agradeço as mil vezes que chamam o meu nome. Agradeço as nódoas no sofá e as manchas no tapete. Agradeço os riscos nas paredes, as bolas a rasar as minhas peças preferidas. Agradeço tudo o que partiram em casa. Agradeço os atrasos, quando não querem ir para o banho, quando não vêm para a mesa. Agradeço ter de repetir mil vezes a mesma coisa. Agradeço o cansaço, as rugas, as dores nas costas. Agradeço ter a casa constantemente desarrumada, o cesto da roupa cheio, e passar a vida na reciclagem. Agradeço ter de ir o tempo todo ao supermercado, passar a vida a ter de ir levar e buscar. Agradeço a falta de sestas, de pausas, de fugas. Agradeço a falta de planos e os planos furados. Agradeço até as oportunidades profissionais que perdi. Agradeço ter menos dinheiro, viajar menos, ter de tirar férias em agosto. Agradeço ter o meu carro de pantanas, a minha carteira cheia de tralha, os bonecos na sala. Agradeço não poder ir ao ginásio, não poder ir andar a pé, de bicicleta, nem poder ali ali à esquina se me apetecer. Agradeço a falta de liberdade, de cultura, de interesse. Agradeço as conversas de chacha, a falta de silêncio. Agradeço a alegria dos meus dias, cheia de pequenos nadas. Agradeço as gargalhadas, o orgulho, a paixão. Agradeço o amor. Agradeço a benção que me foi destinada, cheia de maravilhas e descobertas. Agradeço os dias preenchidos. Agradeço poder deitar-vos e acordar-vos todos os dias. Agradeço os sonhos e a força. Agradeço a saúde. Agradeço a vida que me deram. Agradeço tudo o que me trouxeram e ensinaram. Agradeço tudo, porque vos tenho.

11 comentários:

  1. pronto... o eyeliner já era... <3

    ResponderEliminar
  2. Rita, entendo as suas palavras, mas com uma lista de agradecimentos tão vasta às coisas que deixa de fazer, fico a pensar, então e não será tão melhor se conseguir ter as unhas pintadas, o corpo hidratado? Sim, porque efectivamente, e relendo o texto, tudo o resto é inevitável (as noites mal dormidas, as dores nas costas, os planos furados...) ou até aconselhável (a casa desarrumada, os bonecos na sala, as birras...).
    Ah, ah, ah...de facto o puzzle é complicado. Felicidades!!!
    MB

    ResponderEliminar
  3. <3 e o rímel....
    Por outro lado, neste momento o cansaço é tanto que não agradeço não poder fugir um bocadinho, só um bocadinho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem (temos!) de conseguir fugir um bocadinho.
      Não sei se é o seu caso, mas lá por casa e por circunstâncias profissionais, todas as tarefas dos miúdos estão a meu cargo. Normalmente levo bem a coisa, mas quando o cansaço é muito até eu faço birra! Mas ainda assim consigo ficar com um peso na consciência se deixo o meu marido a cuidar dos miúdos um par de horas!
      Cabeça de mãe...
      MB

      Eliminar
    2. Sim, tb fazemos birra. Mas no meio de histórias dramáticas, tudo correr dentro do normal é uma benção;) E a normalidade é afinal de contas uma relíquia. Era o que queria dizer com este texto.
      Mts beijinhos

      Eliminar
    3. sim, e percebe-se perfeitamente.
      mas hoje é dia de estar no ponto "preciso de 5 minutos para mim".
      e felizmente tenho uma pessoa ao lado que o percebe perfeitamente e com quem partilho toda e qualquer tarefa doméstica (por vezes até julgo que é mais ele que faz as cosias do que eu!)
      sim, queixo-me de barriga cheia (e ainda bem!;))

      Eliminar
  4. Que lindo, afinal este texto é seu, mas acho que podia ser de qualquer mãe! :-) obrigada, por me fazer sentir normal e deixar de rer pena de mim ,(por pensar que sou a única desgraçada do nundo a passar por tudo isto! :-))

    ResponderEliminar
  5. Obrigada pela partilha reconheci-me neste texto completamente!!

    ResponderEliminar