menu-topo

Sim, sou contra montes de coisas na nossa forma de ensinar.

quinta-feira, junho 08, 2017
[dentro e fora de casa] 
Bem, isto de se expressar a nossa opinião quando temos um blogue tem muito que se lhe diga.  Podem concordar conosco, discordar (e está tudo bem), ou quererem pegar em nós e mandarem-nos para um planeta distante sem volta, com muito ódio à mistura. Podemos até ir parar às notícias.
Em primeiro lugar, e para proteger a classe, já nao sou jornalista. Enteguei a minha carteira para poder dar a minha opinião.
E agora falo como uma mãe, igual a tantas outras. Vale o que vale, não é preciso fazer-se uma tempestade num copo de água. 
 Ora, que eu não desejo nada de mal para os meus seguidores e, por isso, quero explicar que aqui vão ler uma mãe pouco stressada com as notas mas muito focada noutras coisas. 
Basicamente, a única coisa que quero dos meus filhos é que sejam felizes.
Como todos os pais e educadores. Por isso vamos dar as mãos e ser amigos, OK?
Isso da felicidade só por si já é imenso.
E aí sou super exigente.
Da e na escola também é o que quero. Quero que amem aprender, seja o que for. 
Quero que descubram o que lhes dá mais prazer e que se interessem. Que procurem, que se entusiasmem. Que tenham tempo. Pausas. Muita natureza, desporto, música e atividades.
Se tiverem uma horta, árvores para trepar ou um projeto deste tipo ainda melhor.
Que sejam bem educados e que aprendam a safar-se. Que trabalhem a autonomia, as escolhas e a solidariedade. O empreendedorismo e a atenção.
Sou a favor de imensas coisas no nosso ensino vêem?
{Também sou contra muitas coisas que às vezes faço em casa como as ameaças, etc, e tento trabalhar isso.}
E quanto a ter dito que achava demais 90 minutos com intervalo no meio de 20 minutos para as provas de aferição de 2ª ano, acho e continuo a dizer que é uma aberração.
Mas esta é a MINHA maneira de ver as coisas. 
 E sim acho que este tempo é demasiado para a 2ª classe, que o programa é extenso demais, que está desajustado ao mundo de hoje. 
E há mais (que assim quem não conhecia fica já a conhecer-me no meu todo) também não concordo com quadros de honra, nem com trabalhos de casa convencionais, nem com as horas que passam na sala de aula, nem com a pouca importância que se dá ao recreio, às horas mortas e às horas em família.
[Já estão a desancar-me e a dizer que não mereço viver, certo?]
Apesar de achar tudo isto, a minha filha com 8 anos passeia todos os dias o nosso cão, vai à mercearia sozinha e sabe fazer trocos, (a sorte de vivermos numa aldeia), faz feiras de usados no nosso pátio, e quer montar um abrigo para animais desprotegidos. [Já fez o desenho do projecto e está a juntar dinheiro para o pôr do pé. Parece que já falou com o pai de uma amiga que é arquitecto e que lhe vai orçamentar a coisa. {Claro que vai sobrar para mim este orçamento...}]
Isto para mim vale mais que um Muito Bom a todas as disciplinas.
Para mim, a Matemática e o Português não são tudo nesta vida. 
(agora é a parte que dizem que é por isto que o mundo não vai para a frente.)
Mas meus amigos, o mundo não vai para a frente. O mundo roda. Em torno de si próprio e do sol. E não vamos sair disto. 
Exigir tanto das crianças não me parece que sem esteja a respeitar os seus direitos. O direito de ser criança. E não uma criança que se deve transformar num adulto antes de tempo.
A história de os termos de preparar mais cedo para um futuro competitivo também não me convence. 
A criança tem o direito de crescer ao seu ritmo e não ao dos crescidos. A criança tem até o direito de não crescer ao ritmo de outra criança. Cada criança tem o seu tempo.
E por falar em tempos, os estudos dizem que uma criança de 8 anos tem uma capacidade de concentração entre 16 a 40 minutos. 
Ou seja, as crianças que só conseguem estar 16 minutos concentradas têm claramente uma desvantagem nos testes das que conseguem estar 40. 
E porquê? Na volta pegam num tablet e dão um baile a um adulto e serão o próximo Steve Jobs. Ou vão emocionar-vos numa peça de teatro onde ocupam o papel principal,  ou fazer chorar num bailado maravilhoso. Ou vão ser guardas florestais e serão as pessoas mais felizes do mundo. 

21 comentários:

  1. Não querida, o mundo está perdido quando a sua opinião é motivo de notícias.
    Já lhe disse, e torno a dizer, opte pelo ensino doméstico, assim já faz as coisas à sua maneira e o (seu) mundo já será mais cor de rosa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já tinha saudades suas..
      Ensinar não é para todos sabe? Adorava mas não se nasce para tudo. Mas obrigada pela dica. ;)
      E espero, com todo o coração, que o seu mundo se torne também um bocadinho mais cor de rosa. Fazia-lhe bem, sabe!?

      Eliminar
    2. Rita nao lhe faca caso... Se este ou esta acha que a sua opiniao e muito "cor de rosa" entao gostava de ver quais sao os valores desta pessoa que nem da a cara. ( eu direi quem sou no final) e assim veriamos se era alguem tipo " general" porque e exactamente isso que me parece.
      Cumprimentos
      Maria Gabriela Dias ( outra mae como a Rita... Mas de "apenas" um)

      Eliminar
  2. Olá querida Rita,
    Porque o meu mundo é, também, muito cor-de-rosa e pintado com todas as cores do arco-iris...
    Um gigante obrigada!
    Se quiser montar essa escola... conte comigo! :)

    ResponderEliminar
  3. Olá Rita. Não só adorei como vou partilhar. Precisamos de mais pessoas no mundo como a Rita. Beijinhos e muitas felicidades.

    ResponderEliminar
  4. Assino por baixo Rita!
    É só isso que quero para os meus filhos.
    Que sejam felizes.
    Que sejam crianças e que o seu tempo seja respeitado.
    O meu mais velho vai este ano para o 1 ano e tomei consciência que o ensino hoje em dia nada tem a ver com o que quero para os meus filhos.
    Tive de tomar decisões e vamos para uma escola diferente. As mudanças assustam mas acho que vai ser para melhor.

    ResponderEliminar
  5. O mundo não deixa de ser cor de rosa só porque temos opiniões diferentes! O engraçado é ser-se tão opiniosa quando nem o seu nome tem coragem de mostrar! Provavelmente nem mãe é, dai a paciência e tempo para mal dizer!

    ResponderEliminar
  6. Se eu soubesse escrever tão bem, estas palavras seriam todas minhas. Clap Clap Clap

    ResponderEliminar
  7. Sou mãe de 3, professora no ensino superior, e daí ter a experiencia de quais as competencias que estão desenvolvidas em centenas de jovens ao passarem por 12 anos de formação e não podia estar mais de acordo consigo!!!
    E digo o mesmo que a Papoila,s e eu soubesse escrever tão bem...essas palavras seriam todas minhas!!!

    ResponderEliminar
  8. Rita eu sou mãe de 2 princesas lindas, mas completamente diferentes, a mais velha agora com 12 anos, sempre foi, e continua a ser, uma aluna exemplar "Muito bom" a tudo, diploma de excelência, quadro de honra, tudo o que tinha direito! A mais nova... tem 6 anos, anda no 1º ano e não é de maneira nenhuma menos inteligente que a irmã, mas como disse no início, completamente diferente da irmã, acha os trabalhos de casa uma seca, nunca tem pressa de os fazer porque é muito mais divertido andar na rua a brincar com os cães e é sempre um bico de obra para conseguir que ela entre em casa!!! Não a sinto de maneira nenhuma motivada para a escola e com uma agravante, o programa ainda se tornou mais pesado e exigente em relação ao programa de 1º ano da mais velha, são uma carrada de metas e objetivos "temos de dar o alfabeto todo até à Pascoa, temos de dar os números até 100!" e coitadas das crianças que não seguirem este ritmo. Estaremos a criar robots ou crianças? E se não forem crianças agora, quando vão ser?? Infelizmente são preocupações de uma mãe, mas não dos nossos governantes...
    Fica o desabafo :)

    ResponderEliminar
  9. Sou mãe de 3, professora no ensino superior, e daí ter a experiencia de quais as competencias que estão desenvolvidas em centenas de jovens ao passarem por 12 anos de formação e não podia estar mais de acordo consigo!!!
    E digo o mesmo que a Papoila,s e eu soubesse escrever tão bem...essas palavras seriam todas minhas!!!

    ResponderEliminar
  10. Querida Rita,

    É tudo isso.
    Sempre disse « Há vida para além da escola »,o tempo para ser criança é irrepetivel,a escola é MUITO mas...é só uma parte.
    Ainda bem que existem mães como nós ( permita-me incluir-me na sua tribo, nesta das criticas e constatações...),para o crescer bem das crias.
    Beijiño de mãe e felicidades para a nova etapa e todas as que se seguirão

    ( este também será o nosso ano DA mudança...há sempre receios e angústias mas...desdramatizar e confiar que VAI correr bem.
    Tem de correr bem.

    . margarida .

    ResponderEliminar
  11. Olá Rita, concordo com cada palavra. :) E respeito todas as opiniões diferentes também, claro. Haja tolerância entre mães e seres humanos. Não é preciso sermos todos iguais para sermos todos bons pais e bons seres humanos. O mundo irá para a frente quando cada um de nós souber procurar a felicidade de forma pacífica e tolerante, aceitando que os outros a procurem de forma diferente. Viva a diferença. ;) Um beijinho

    ResponderEliminar
  12. Concordo inteiramente com tudo o que escreve. Incrível, e fico contente de não ser a única a pensar assim. O meu único filho tem apenas 2 anos, e angustia-me imenso que ele vá começar esta escola onde eu própria cresci, que limita tanto mas tanto as crianças, que marginaliza qualquer criança que não seja um prototipo. As crianças são seres humanos e graças a Deus todas diferentes umas das outras. O nosso sistema infelizmente está feito para um tipo de crianças. Falta flexibilidade!! Falta tudo!! Enfim adorei ler, obrigada.

    ResponderEliminar
  13. Boa noite, simplesmente adorei seu texto, creio que aos pouquitos conseguiremos conquistar mais pessoas para um mundo como o da Rita. Partilhem simplesmente...

    ResponderEliminar
  14. Creio que já existem algumas escolas (Pedagogia Waldorf - Escola Livre) pelo pais que seguem outro tipo de ensinamentos, mas julgo ser só no infantário e primaria.

    ResponderEliminar
  15. É isso tudo que diz Rita. E só piora à medida que os anos passam...
    Sara

    ResponderEliminar
  16. Amei todas as suas palavras e vou aproveita-las para partilhar na minha página no Facebook Educação no coração pois é exatamente assim que penso e é esse sentimento de felicidade que tento transmitir nas minhas publicações. Obrigada por partilhar a sua opinião. Ana Rita (educadora de infância com muito prazer)

    ResponderEliminar
  17. Olá Rita! A minha filha mais velha também está no 2.º ano e só fala nas provas de aferição e no tempo que tem para as executar... Concordo com o que partilha e como mãe, também me questiono sobre este método de avaliação numa idade tão precoce. Beijinho grande

    ResponderEliminar
  18. 👏👏👏👏 Viva o nosso mundo cor de rosa!!! Viva os pés descalços, as camisolas sujas, e os cabelos desgrenhados!!! Quando é que ser CRIANÇA, deixou de ser normal??? Concordo com a Rita a 1000%

    ResponderEliminar