menu-topo

Herdade da Matinha [o cantinho do slowliving]

sexta-feira, outubro 20, 2017
Chegamos a um vale , entre planícies e pastagens verdes..
O caminho leva-nos até um lugar escondido, que parece um segredo bem guardado, em pleno Alentejo.
Há uma magia especial neste sítio. A vida simples que tantas vezes nos esquecemos.
Na Herdade da Matinha voltamos a aprender o que é mesmo importante.
Os quartos são simples mas bonitos e únicos, e com tudo o que é preciso. A televisão só passa DVD's e fica sempre melhor desligada.
A arte, feita pelo Alfredo, o dono, encontra-se em cada canto, em cada pormenor. E ali vê-se todo o carinho pelo espaço e por quem o visita. Tivemos a honra de o conhecer e conversámos sobre família. Um tema que agrada a todos.
O tempo tem outro sabor e talvez seja também confecionado na cozinha mais maravilhosa e que convida os hóspedes a entrar e participar.
Quase tudo vem dali, da horta biológica, cuidado pelo mesmo homem que trata da piscina, do lago, do jardim e de tudo um pouco o que possa surgir.
Das árvores tirámos o nosso lanche. Romãs abertas de tão frescas e deliciosas, maçãs que partilhámos (demais) com os cavalos...
Esse sabor que ali se vive não é ao acaso. Tanto se cuida o que se planta que se acaba por colher.
E é essa matéria prima que torna este sítio mágico.
Desde a Carla que, de sua iniciativa, na sua folga, foi trabalhar para o meu marido e eu usufruirmos de uma aula de yoga. À Mimi que embalou a Baby Madalena ao jantar até ela adormecer para que nós pudéssemos estar um pouco a sós e a desfrutar das refeições mais maravilhosas que comemos nos últimos tempos.
A Ricardina que conseguiu, através dos cavalos, acalmar o meu filho e explicar-lhe que os animais sentem as nossas emoções. E da Boneca, a cadela mais fantástica que alguma vez conheci. [Vejam-na a mostrar que estava com vergonha]
E que tudo ali é calma.
 Ainda fiz a melhor massagem de velas de sempre em que, juro, que fui ao céu e voltei.
Podia não ter nada disto. Só estar vale a pena.
Aqui regressamos ao que é importante. Vivemos devagar. Vivemos simples.
[O pior é ir embora.]
Obrigada de coração Herdade da Matinha e todas as pessoas de sonho que lá trabalham.
E um beijinho ao Alfredo, o criador deste oásis, por ter feito ali o mundo como ele devia ser.









3 comentários:

  1. Este post está tão bonito. O texto, as fotos, a paz que transmite. Parabéns.
    Curiosa para ir lá.

    ResponderEliminar
  2. As fotos estão lindas! Adorei a carinha marota da baby M. com a barriguinha toda riscada :-))))))
    Será que me podia dizer onde compra essas "botas" super confortáveis para os 3??

    ResponderEliminar
  3. Olá Rita! Adorei o post!
    Só uma sugestão: ponha menos fotos, repete muito a mesma coisa!
    Beijinhos
    Outra Rita

    ResponderEliminar