Tribo Magazine (Inverno) – Sonho

Tempo de leitura: 3 minutos

Já está nas bancas a última tribo deste ano. (Se Deus quiser não a última dos próximos;))
O tema desta edição foi Sonho. 
Podem adquirir as edições anteriores em [email protected]
Espero que sonhem muito com esta.

Quem comanda a vida

Depois de três edições incríveis, em que recebemos muito mais do que demos e do que alguma vez imaginámos, quisemos terminar o ano em modo mágico. Afinal, vínhamos algo agitados, ainda que agradecidos, do modo “Resiliência”, da edição de outono, cheia de histórias de tribos que deram a volta aos piores momentos. 
Com o Natal à porta, com as resoluções para o novo ano e uma vontade imensa de mudarmos o mote, escolhemos “Sonho”. 
Mas tivemos algum cuidado. Não queríamos trazer aqueles sonhos inatingíveis, de pessoas ou de vidas inalcançáveis. Queríamos o sonho real, aquele que é transversal. O que quisemos trazer, acima de tudo, foi possibilidade. E vida. Porque, afinal, é ele que a comanda. 
O sonho é transversal a todos os seres humanos. Não tem idade, sexo, região, religião, tamanho, não tem sequer domínio ou controlo… E nós estávamos a precisar de sonhar como a família da menina que fez capa. Estivemos com eles, no meio do nada, e percebemos que, afinal, é preciso pouco para sermos felizes. 
Mas sonhámos bem alto quando pedimos à minha blogger preferida, australiana, para nos dar uma entrevista e, no fim de contas, imagine-se, conseguimos mesmo. Jodi é uma referência no modo de viver mais simples e fica tão perfeita numa Tribo. Foi uma enorme honra realizar este sonho.
Mas também quisemos trazer sonhos interrompidos e roubados, esses nada mágicos. Como o da Diana que, enquanto organizávamos uma sessão com a família para falar do seu sonho, perdeu o filho, Afonso, num trágico acidente. A nossa equipa quis, com todo o amor, deixar a homenagem possível, que nunca será comparável a tê-los aqui como estava planeado. Mas, não quisemos ocupar esta página em branco com mais ninguém que não eles. 
Tentamos, em todas as edições, juntar uma arte ao tema e à estação em causa. E no inverno há lã a aquecer-nos a alma. Andámos em busca dos exemplos mais apaixonantes do nosso país. Um pai que quebra preconceitos a fazer tricô, a pessoa que, provavelmente, mais domina a história da lã em Portugal, e alguém que andou toda a vida presa à malha sem conseguir fugir dela. 
E não era um sonho vivermos sem lixo? Pois há famílias que o conseguem e nós anotámos tudo para vos trazer o conceito de zero waste
E termos alguém que entre em nossa casa e nos ensine a organizar as divisões e a vida toda? Não era um sonho? Pois também vão encontrar essas dicas todas nestas páginas. 
Bem, mas umas coroas de Natal ficam sempre bem nesta quadra, e se forem de flores não fazem lixo nenhum. E acreditem que uns sonhos sem glúten podem modificar e adoçar o Natal de quem tem intolerância. 
No fim, para relaxar, fui com os meus filhos aprender a fazer caça-sonhos. Sem muitas regras, nem obrigações. Porque, afinal, sonhar deve ser tão espontâneo quanto a fantasia das nossas crianças. Um sonho foi também esta revista, na minha vida, e a realidade de termos posto quatro edições na rua, em banca, e termos enchido as casas dos nossos leitores com este cheirinho maravilhoso do papel. Uma equipa de sonho que, com magia e muito trabalho, faz nascer cada página com um enorme carinho. Um caminho difícil mas o mais incrível e inesperado que me aconteceu na vida. Também graças a uns leitores de sonho, a nossa melhor publicidade, que abraçaram a Tribo como coisa própria e que têm feito com que o seu sucesso tenha sido sempre crescente e surpreendente.

Muitos sonhos e beijinhos para a vossa tribo
Rita

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *