Nem sempre há palavras.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Aqui neste espaço cabe um bocadinho de tudo da minha vida. O óptimo, o mau e o péssimo.

Vale de tudo um pouco se bem que filtrado mas será sempre o reflexo dos meus dias ou dos que estão à minha volta.

Quase sempre tenho uma necessidade enorme de vir aqui expurgar, resolver, avançar.
Desta vez estou ainda a fazer contas com o dito cujo.
Já me levou o meu avô, a minha avó. Já pregou muitos sustos na família. Levou amigos, família de amigos, crianças que pedem ajuda na internet. Já levou uma pessoa que foi quase minha mãe. Levou há pouco tempo uma amiga que conhecia há pouco mas que adorava e agora prepara-se para tentar outra vez.
– Se calhar é coincidência mas acho que ele anda a ver com quem me dou. –
Estamos 50-50 nesta luta contra ele.
Ontem quando lá fui visitá-la encontrei uma família que conheço há anos. 
Estavam a ver como acordava o miúdo de 22 anos depois de 9 horas de operação. 22 anos. Disseram-me:
“- É o segundo neto com isto. O cancro não larga a nossa família.”
E é por isto que não tenho conseguido escrever muito, nem responder muito…
Que massacre este, que doença esta. 
E tanta gente…
Estou revoltada e a torcer, mas a torcer, que desta vez possamos dar cabo dele, e que este 50-50 se torne um 100-0 brevemente. 
Um beijinho 

16 thoughts on “Nem sempre há palavras.

  • Esse maldito… também já perseguiu muita gente à minha volta. Houve casos de derrota, outros de vitória… só desejo que o teu venha para este segundo prato da balança!

  • Minha querida, é uma luta dificil, tenho perdido muitos amigos e familiares para esse maldito. Mas eu sou um caso de sucesso, uma sobrevivente, venci um fez em Abril 9 anos..perdi um rim mas ganhei uma vida nova , acabei de saber de uma amiga minha que também venceu um! Temos de acreditar que é possivel e lutar e rezar muito !! beijinhos e força

  • Minha querida, esse maldito também já me levou familiares e amigos e anda sempre aí. Mas eu sou uma sobrevivente, venci um fez em Abril 9 anos, perdi um rim mas ganhei uma nova vida. Temos de acreditar até ao fim que é possivel, lutar e rezar. beijinhos e força

  • compreendo perfeitamente rita aquilo que escreves…. também já dei por mim a indagar-me se esse maldito não anda a ver com quem me dou…. eu própria já tive que arrasar com o dito duas vezes…. a primeira aos 25 anos. Mas o mais importante nisto tudo e por isso resolvi escrever…. é manter o espírito positivo em todo o processo e rodearmo-nos apenas daqueles que mais gostamos e que nos fazem feliz. Isso para mim foi sem dúvida a minha cura! Um beijinho grande

  • Sei o que sente…
    O meu pai também travou uma luta contra o maldito. Felizmente hoje está bem, mas não sabemos nunca até quando e se eventualemente nos calhará a nós ! 🙁
    Por isso , o melhor que temos a fazer é viver cada dia intensamente e aproveitá-lo o melhor possível com quem nós gostamos. Aliás, é o que a Rita faz, não é?

    Beijinhos
    (Não passo um dia sem visitar o seu blogue que adoro !!!)

  • Rita ,

    Estamos em sintonia …..
    Perdi o meu Pai ,que lutou um ano e n venceu tinha 48 anos ( e eu achava que ele até era de uma certa idade…..eu claro era uma miuda e ele tb mas só agora consegui ver o novo que era ) a minhã Mãe tb teve mas conseguiu vencer , o meu primo/padrinho que eu adorava tb com 42 anos, a minha tia em 8 meses ,amigos , conhecidos , vizinhos e tantos outros …….
    Eu chamo-lhe a peste …..e é incrivel com o avanço da medicina isto ainda acontecer…..

    um beijinho
    Raquel

  • Querida Rita, conheço alguns casos e vencedores e de vencidos! acima de tudo parece-me que a melhor cura é o espirito positivo e acreditar que se vai vencer e tudo vai correr bem 🙂
    Rodearmo-nos e rodeá-lo a ele de coisas felizes, gargalhadas, coisas que goste de fazer, pessoas com quem goste de estar possivelmente vão ajudar nesse processo!
    Tenho a certeza do seu entusiasmo e com o seu sorriso, com as fantásticas historias dos seus Filhos e do Crush que levará muito boas energias!
    já agora vou fazer uma proposta "indecente"… bora fazer uma corrente de Oração?
    Combina no seu blog uma hora em que todos rezamos e acendemos uma vela!
    Eu alinho já!
    Ou se preferir quando cada um for a uma cerimônia religiosa (seja ela qual for) oferece o Pai Nosso para este fim… ora vamos lá ver quem é que ganha!!! ai o menino… já embora!!!!!
    um beijo minha querida
    Margarida

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *