A história dos TPCs e a vontade de uma petição assinada por pais.

Tempo de leitura: 2 minutos

[Artigo de opinião.  (de mãe.)  Just saying]
Há uns tempos, já longe, um grupo de gente espetacular [em vénia: Isabel Stilwell, Eduardo Sá e Mário Cordeiro] insurgiu-se contra os trabalhos de casa e criou um manifesto que se perdeu nestes 10 anos de distância.
Talvez por não ser mãe na altura e estarlonge dos assuntos que me interessam agora, não percebi mas estas pessoas PESSOAS queriam acabar com os TPCs. {Agora que estou a querer assinar esse documento não o encontro, nem nada do género.}
Já falei mais vezes nisto no blog – já falei com os dois senhores acima citados – e ainda não tenho de lidar com este vírus que se apanha nas escolas, felizmente… mas está quase. E não quero!
Não me parece normal que as crianças estejam 8 horas a aprender que depois venham para casa “trabalhar”.
Os TPCs são o novo abuso de trabalho infantil disfarçado de aquisição de conhecimentos.
Get a life e vão estudar vocês senhores. (Gostam???)
As crianças precisam de repouso, de não fazer nada, de brincar com os pais, de se estar em família, para mimos – coisinha que falta em nossa casa e que faz crescer tão bem. É tempo de os deixarem de nos vir bater à porta quando estamos a descansar, pode ser?… [Incomodativo!]
Noutro dia uma amiga não pôde fazer um programa conosco ao fim de semana (de sol!!!) porque os filhos estavam fechados em casa a fazer os ditos. What the hell????
Veio mais recentemente esta opinião no i, e esta crónica da [wonderful] Isabel Saldanha – paixão, paixão –  na maria capaz, e há mais vozes, e mais vozes, a perceberem a burrice que é isto para a vida das crianças e a falta de liberdade e tempo que têm sem espaço para imaginarem, se relacionarem, conversarem, dormirem, andarem à pancada com os irmãos, desarrumarem a casa toda, whatever…
Dão um jeitão para se ir adiantando o jantar, dão! Mas são vantajosos para eles, não!
Ora… já alguém MESMO se chegou à frente para aquelas petições online que se enviam aos ministérios?
Só para saber… [Alguém me envie isso pff]

23 thoughts on “A história dos TPCs e a vontade de uma petição assinada por pais.

  • Concordo a 100% . A professora da minha filha Rita só envia TPC´s ao fim de semana (uma página que se faz em 10 minutos) e férias e eu adoro-a por isso !!
    Ângela Ponte

  • Concordo plenamente! Ainda estas férias o meu filho mais velho estava triste a ver os irmãos brincar enquanto ele tinha de fazer os TPC que, na minha opinião, eram demasiados. Opinião da professora: eram poucos tendo em conta que tiveram 15 dias de férias.
    Férias meus senhores, são isso mesmo, férias! As crianças também precisam descansar porque o dia a dia agitado em que vivemos também é um stress para eles.
    É necessário relembrar a matéria? Tudo bem, mas nas férias grandes e não é preciso um ou dois trabalhos por dia, com excepção de 2 semanas em Agosto, como aconteceu no ano passado. Basta uma ou duas fichas resumo de cada disciplina (e refiro-me às férias grandes e não aos supostos 15 dias que as crianças têm na Páscoa e Natal que, como sabemos, para muitas pessoas e aqui em casa não é excepção, não são férias pois os pais têm de trabalhar e as crianças continuam na escola ou no ATL, onde desenvolvem actividades também importantes e de aprendizagem).
    As crianças precisam de ser crianças, não de terem uma agenda mais preenchida do que a minha.
    Adorei o seu texto!

    MAR

  • Por aqui o drama é o mesmo, nas férias do Natal, da Páscoa todos os dias a rapariga tinha de fazer trabalhos, e quase nem teve tempo para brincar e descansar. Tbm sou contra aos TPC´S, estou completamente de acordo com o que escreveu. Já não basta nas férias ela ter de se levantar cedo para ficar no atl (que detesta) como ainda tem de trabalhar!!!

  • Tenho a mesma opinião 🙂
    O meu filho ainda só tem 3 anos mas já tenho pensado muito nesse assunto! Acho que vai ser um dos meus critérios na escolha da escola primária para ele 😉

  • Não sou mãe, mas moro com as minhas duas sobrinhas. A mais velha entrou este ano para a escola, como se não bastasse as 8 horas que lá passa, muitas vezes fica mesma até à hora de jantar ocupada a fazer os trabalhos. Por muito que concorde que tem que se incutir o trabalho individual, uma ou duas vezes por semana chegava.. Tudo sem exageros.

  • Concordo 100%. Aiii Rita, medo medo do que aí vem também para os nossos filhos. Existe lá na escola uma prof. que para isso afiançada! Bate 3 vezes na madeira! ihihihi
    Tina Dias

  • Sou mãe de um pirralho de 9 anos que diariamente tem Tpc vindo do colegio. Nao só estou totalmente contra, como nao concordo com a alta responsabilização que dão aos pais para fazerem parte da ajuda nos mesmos tpc. Dou por mim a chegar tarde com ele, ter os Tpc, adiar banhos e jantares para horas impróprias e isto tudo quando corre bem. Dou por mim a pensar na infância feliz que tive a brincar depois da escola.

  • Concordo a 200% consigo. A minha filha ainda tem 2 anos e meio, mas vejo o stress e a pressão à qual os meus sobrinhos adolescentes são submetidos nos estudos. Mesmo assim não têm notas estupendas como eu tinha com a idade deles. Nos meus anos de primária tive a "sorte" de estudar em colégio privado, devido a benefícios da morte do meu pai e saía do colégio às 16h, os professores eram bastante exigentes e sempre tive boas notas. A mesma coisa na preparatória e nos anos seguintes! Além do mais não havia a parvoíce que o desporto não conta para nota. Tinha de estar tudo feito. A educação dos meus filhos preocupa-me cada vez mais e eles ainda nem foram para a primária. Façam a petição que eu estou lá batida para assinar. Beijinhos

  • Se me permite uma correcção: "andarem à pancada" e não "há pancada" 😉

    Em relação ao conteúdo do post, 100% de acordo.

  • Eu uma anti TPC estou consigo, infelizmente a única que se manifestou na sala de aula e que foi "abafada" pelos outros 25 pais. Mas estou cá :). E Rita, não dá jeito nenhummm para o jantar porque me chama 50 vezes para tirar dúvidas, porque a irmã mais nova chora porque quer brincar e não percebe porque a irmão mais velha está "fechada" no escritório. É uma tortura nesta família. Bjs

  • Não há mesmo solução. Sou professora e mãe. Fiz investiguei no tema e não há nada, nem se pode fazer nada a não ser sensibilizar quem está à frente dos nossos filhos na escola e os restantes pais. Na altura que escrevi o Manifesto realizou debate e uma formação com o Professor José Morgado (fui aluna dele e do Prof Eduardo Sá no ISPA). A praga TPC norteia-se por princípios de pressão e competição, e sobretudo pelos pais (mais do que dos professores). A educação (sobretudo nos primeiros anos) não é muito diferente do que a relação entre pais e filhos; entre copiar modelos e reproduzi-los. Por isso, eu prof. dou aos meus alunos aquilo que me deram a mim. E se eu prof. continuo sem reflectir na intenção das minhas práticas, o mais do mesmo vai continuar a acontecer. Tenho intenção de ir mais longe e ajudar os prof. e pais a perceberem os benefícios de um real Trabalho para Casa, ou como prefiro chamar, um Tempo Para Colo. Se todos nós percebermos as razões e partilharmos a nossa opinião pode ser que se consigam umas vitórias! Obrigada pela sua partilha, Rita!

  • Subescrevo…. TUDO !
    Ainda hoje, a minha cria trazia um « textozinho » para DECORAR constituído por 6 ( SEIS ) versos de 4 estrofes…. SÓ.
    Poderia ser, sei lá…. assim na loucura… 3 vá.
    Mas não.
    E tal como já foi dito, os piores são os « paizinhos -modelo » e as suas teorias cintilantes na reunião de pais,…. de uma tal « luminosidade » que só dá vontade mesmo de sair da sala.
    Ontem lamentavam a não existência de exames nacionais para o 2º ano !!!!!
    Rita,conte com o meu apoio nessa petição.

    . margarida .

  • Pois eu tenho uma opinião diferente!
    No nosso tempo, sempre tivemos trabalhos de casa e não morremos! acho essenciais os trabalhos de casa para rever matéria e assimilar conhecimentos!
    Mas também concordo que são em grande quantidade, que não é justo saírem do dia de "trabalho" deles e ainda ter de trabalhar mais e que atrapalha a rotina dos Pais e cria tensões, quando devíamos era estar todos relaxados! TPC sim, mas em menos quantidade!
    Margarida P.

    • No meu tempo só tinha aulas de manhã. Hoje,o meu filho está na escola até às 17h ( sortudo. Pois há meninos que estão até às 19h30). E ele até podia adorar a escola. Mas não adora. Os seus olhos brilham quando chego, finalmente pode sair do espartilho.
      Nas férias trouxe TPC para TODOS os dias. Sabe o que fiz? Fui de férias com ele e deixei os TPC em casa. Vi o meu filho feliz e descontraído como há muito não via.

  • Apoio a 1000%, onde está essa petição para eu assinar!?
    A minha filha ainda só tem 2 anos, mas tenho muito medo do que aí vem!
    O tempo que temos com ela já é pouco e se ela tiver que fazer muitos tpc's quando chegar a casa, não vamos ter tempo nenhum em família!

    Bjos

  • O meu filho já anda no 8º ano mas posso dizer que tivemos – sim, os dois tivemos – uma primária espectacular! TPC's poucos e quando havia faziam-se rapidamente. Nunca precisei de interferir, explicar, nada de nada ao meu filho, pois a escola fazia isso tudo. Na Cooperativa A Torre, no Restelo, é assim. Privilegia-se o brincar, aprende-se enquanto se brinca (e aprende-se muito bem mesmo), os pais sentem-se família naquela escola. Adorei a experiência e os "meninos da Torre" são sempre mais felizes do que os outros (ainda que digam que têm menos regras e que pa-ta-ti-pa-ta-ta…..!)
    Por isso, concordo que os TPC's na primária têm de ser muito reduzidos e que temos de deixar as nossas crianças ser crianças. Já basta quando chegarem ao 2º ciclo e por aí fora.

  • O que me parece que acontece por vezes é a professora/ professor não ter tempo para tudo na aula e depois impingir o serviço aos pais. Não sou contra os trabalhos de casa no geral. Por exemplo, se esteve a arengar e foi o único que não acabou a ficha, pode acabar em casa para não estar a atrasar os outros. Agora todas as noites e reforçados aos fins de semana é um fardo para eles e para os pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *