Aqui entre mães.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Quando eu era pequena lembro-me dos meus pais me obrigarem a dar beijinhos a toda a gente. Podiam ser 3 pessoas, se fosse dois beijinhos davam 6 no total, mas podia acontecer 200 beijinhos se fosse numa festa de 100. (ou 100 se fossem betos ;)) 

Ora que com os meus filhos não faço, disfarço, e muitas vezes me dizem que os torno mal educados.
{Eles falam, dizem olá, bom dia, boa tarde, mas sem beijo.}
Claro que eu, na minha caminhada, ignoro. 
Um beijinho é para a família e amigos acho eu. 
Ou então espetam um beijinho num ministro como eu já fiz uma vez.
Também acho que passamos a vida a falar-lhes dos “estranhos” e depois vem um e obrigamo-los a dar uma beijoca…
Estou sozinha nisto ou há por aí mais mães “mal-educadas”?
Beijinhos para vocês ;)))

13 thoughts on “Aqui entre mães.

  • Nunca fui educada a dar beijinhos. Cresci no Brasil e lá apenas cumprimentávamos; beijávamos só as pessoas mais próximas. Foi-me estranho habituar-me, aos 14 anos, a "beijar toda a gente". Estou prestes a ser mãe pela primeira vez e, segundo imagino, não irei obrigar os meus filhos a fazer nada que não queiram, que não faça sentido ou não seja realmente necessário. Não acredito que isso os torne mal educados. A educação, para mim, é outra coisa! O beijo é algo tão pessoal que não me parece fazer sentido ser dado sem vontade ou por obrigação. Devemos saber viver em sociedade, mas essas imposições "politicamente corretas" são, no mínimo, desnecessárias…

  • "eu" sou mal educada…. os beijos para mim são para quem conheço e para quem gosto!
    Bom dia, boa tarde olá e afins acho que chegam….
    …. Sendo eu assim, não posso exigir ao meu filho beijos a quem não conhece, certo?

    Nota: e quando os pais diziam: " cumprimenta a XXX" ou "dá um beijinho????" e não é que aos 40 de vez em quando ainda ouço isto???!

    "beijo" grande,

    Marta Cruz

  • Ola Ola, daqui filga que ainda não é mãe mas que partilha desta opinião.
    Filha de mãe que nao obrigava nenhum a fazê-lo. Eu era a mais dada como se costuma dizer mas isso mudou muito.
    Concordo consigo mas queria deixar aqui assente que quando a conhecer vou querer dar lhe um abraço.
    Um grande beijo.
    Está a sair se muito bem, querida Rita!

    Carolina Melo

  • Eu nunca obrigo os meus filhos a dar beijinhos! O mais velho só deu beijos à avó e aos pais durante vários anos. E eu ajudava-o e dizia logo que ele não dava beijos a ninguém!
    Já eu… sou uma beijoqueira, dou beijos a toda a gente, até prefiro dar beijos do que aperto de mão. É que a cara costuma estar mais bem lavada….
    Beijinhos!

  • Como eu detesto dar beijos a conhecidos, também não os obrigo. Mas tento que dêem um aperto de mão. Se sei que vou estar com outras pessoas aviso-os que devemos cumprimentar essas pessoas para que se mentalizem.
    E também odeio que os pais de outras crianças as obriguem a cumprimentar-me.

  • Estou totalmente de acordo Rita. Antes pedia para darem um beijinho, mas depois pensei: "beijinhos são para as pessoas especiais de quem gostamos". Dizem olá e sorriem, mas só dão beijinho se quiserem.
    Catarina

  • Completamente "mal educados" os meus 3 filhos.
    Não obrigo ninguém a dar beijinhos, ensino sim, que devem cumprimentar quando chegam a algum lado ou dizer adeus quando se vão embora.
    Mas eu também não sou nada beijoqueira e acho uma aberração de um hábito.
    Mafalda

  • para mim os beijinhos também são demasiado valiosos para andarem por aí a ser distribuídos aos montes.
    Também pelas mesmas razões que a Rita nunca ensinei as minhas filhas a darem beijinho quando encontram pessoas que conhecemos, dizem bom dia e fazem um sorriso.

    bjos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *