Este país não é para (leites) fracos!

Tempo de leitura: < 1 minuto

amamentação é uma opção.
Verdade!

Mas também é uma bela solução para a crise.
Com as carteiras a apertar
 mais vale
deixar o seu peito… aumentar.
Por isso, se está a ver onde pode apertar os cordões,
é mesmo na zona do peito!
São euros em poupança a percorrer os seus vasos sanguíneos
e passarem para a conta bancária.
Que não seja por outras razões igualmente válidas,
seja pela sua economia familiar.
Ora então vamos a contas:
(assim a «amandar» por baixo)
 15 euros a lata por semana
=
60 euros mês
vezes 1 ano
720 euros
(Pelo menos…)
   Para além das óbvias vantagens diretas, há muito mais contas a fazer a nível financeiro:
. Menos despesas médicas! (Dar de mamar previne otites, gastroentrites, asma, diabetes juvenis e até leucemia)
. Menos faltas ao trabalho!
. Menos acessórios (como biberões, aquecedores, tetinas)
. Menos despesa no ginásio (melhor forma do corpo ir ao sítio)
. Menos despesa com roupa XXL
Dar de mamar, no fundo, não tem preço!
Por isso seja persistente!
Não acredite na história do capuchinho de que o seu leite é fraco.
O seu leite é perfeito para o seu bebé e vai adaptar-se às necessidades dele!
É por isto que anda há anos a transportar dois pesos estranhos e a pôr soutiens!!!
Peça ajuda, seja o mais casmurra que conseguir e pense que o pior do início vai passar!
Palavra de mãe?!
(Não se esqueça de participar no Passatempo Medela)

4 thoughts on “Este país não é para (leites) fracos!

  • Quem fala assim, não é gaga! Por cá, acredita-se nisso mesmo: pode não ser sempre fácil, mas é barato e dá milhões… de momentos insubstituíveis!

  • Como fiz cesariana, não tive a subida do leite. Quando julgava que o meu filho mamava, ele estava a passar fome, em pleno período de internamento do hospital… Enfim, uma fase que, mesmo 1 ano depois, ainda me causa muita dor e mágoa. Porém, consegui amamentar. Tive a ajuda de uma médica fantástica que me ajudou, mas eu não baixei os braços, não desisti e isso foi importante! Usei bomba para estimular o peito, enquanto o meu filho mamava no outro. Usei até um sistema usado por mães que adoptam e/ou não têm leite, e colocam o suplemento nesse instrumento, ligando uma sonda ao mamilo.( A ver se me lembro de colocar aqui o nome, posteriormente) Fiz de tudo! E agora, 13 meses depois, continuo a amamentar e é das melhores coisas da vida, de ser mãe!
    Beijos *.*

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *