Uma história da minha barriga pós parto

Tempo de leitura: 2 minutos

Bem, há milhares eu sei. Esta foi a vergonhaça total.
E pode ser que as pessoas que estavam da fila leiam este post e me perdoem. 😉
Duas pessoas à minha frente para pagar numa loja de brinquedos. Eu na minha vidinha, a pensar nas mil coisas que tinha para fazer, quando oiço o senhor, com a voz em projeção para alcançar a distância a que eu estava, aos altos berros (lol):
– A senhora!!! Pode passar à frente!!!
Ainda olhei para trás. Mas não. Era mesmo comigo [caraças!!!] Comigo e com a minha barriga que nesse dia não estava a correr nada bem em termos estéticos. E a roupa não ajudava. [Um vestido comprido com um mega laço a envolver uma gravidez que nem sequer psicológica.]
Perante a minha hesitação [ainda a pensar como ia gerir isto] ele continuava em tom estridente: – Tem prioridade senhora!!!
Eu sei. Eu podia ter dito que não estava grávida, mas só quis sair daquela situação rapidamente.
E dizer que não estava (de todo!!!!) grávida ia deixar o senhor a morrer e eu um tomate. Mas podia ter dito. Ou podia ter despachado a (falsa) prioridade.
Só que não!!!!! Só queria resolver a coisa rapidamente. Fui em frente, cabisbaixa, pagar a conta. Entretanto não encontrava o cartão com os nervos e tal…
Claro(!!!) que umas das duas senhoras da fila a quem abusivamente passei à frente [claramente muito mais peritas nestas coisas de distensões abdominais] pergunta:
– Já agora a prioridade é do quê? Eu calada… O senhor insistia que eu estava grávida e que tinha direito a passar à frente. Nunca duvidou por um segundo que tudo aquilo era só ar, muita falta de ginásio e restos de 3 cesarianas…
Foi lá paguei e fugi o mais rapidamente possível.
PS. Há muitos alimentos que não ajudam. Não sabia que alface era uma delas. Tinha-me fartado de comer nos ultimos dois dias. Fica a dica. 😉

13 thoughts on “Uma história da minha barriga pós parto

  • Rita por aqui estamos na mesma e por não falar nas exterias que ganhei nesta gravidez fiz uma barriga enorme a minha filha nasceu enorme há dias que lido bem outros mais difíceis ainda um pós parto recente tudo tem o seu tempo e é verdade… Tenho filhos lindos saudáveis isso vale por tudo

    • Rita o que sei por experiencia própria é que o que realmente incha é o tomate!!!! Tanto que quando se tem problemas de estômago ele é retirado da dieta. E eu desde que deixei de o comer nunca mais inchei. E foi antes ou durante a minha gravidez porque fazia um papo enorme. E eu sentia me como se fosse rebentar. E entao ae comesse também arroz… Era bem pior!

  • Oh Rita, acredito que tenha sido uma situação embaraçosa, mas pelo menos vai dar para se rir dela sempre que se lembrar 😀
    A minha mãe costuma contar uma parecida. Duas semanas depois de ter os meus irmãos gémeos, teve que ir a uma consulta no hospital. E só ouvia comentários do género "A menina está gravidíssima, para quando é o parto?! Deve estar perto?!", ao que ela respondia "Está quase, falta pouco"…..como vê, quase a completar 60 anos e passados quase 33 anos deste episódio, a minha mãe ainda conta esta história com um sorriso nos lábios e a seguir uma gargalhada (e na altura nem sabia onde se meter!!!!!).
    Beijinhos,
    Joana

  • Olá Rita,
    Como eu compreendo… tenho 3 filhos, todos nascidos por cesariana.
    A minha barriga nunca recuperou da primeira, piorou na segunda e na terceira vez. Os meus músculos ficaram abertos irreversivelmente e já sei que a solução médica é a operação, mas não me apetece…
    Sinto que correr ajuda bastante a diminuir o volume abdominal, fica a dica!
    Entretanto, não me ralo. Aqui o cliché de que valeu bem a pena é a melhor das verdades para mim 🙂
    Beijinhos,
    Guida

  • Oh Rita isso não se faz!! Aqui vai uma pessoa no comboio a caminho de casa e desata a rir ao ler este post! Muito bom mesmo! Que situação caricata! Acho que deve ser a 1a vez que escrevo um comment na net, mas a reacção que tive justificam!Obrigada!! Um beijinho e parabéns pelo blog 😘

  • Olá Rita!!!
    Pense na pessoa que lhe cedeu a prioridade… Um dos meus grandes dilemas é esse. Saber se a pessoa tem prioridade ou não, sem correr o risco de a ofender. Já passei por algumas situações em que fiquei na dúvida se havia de dar prioridade e esperei que a pessoa se manifestasse… Talvez tenha passado por mal educada, mas tive medo de ofender a pessoa… Beijinhos

  • Eu já tive nos dois lados da moeda: quando estava grávida das minhas gémeas, aos 4 meses parecia ter uma barriga de 20 meses (isso dentro do meu metro e meio de altura). A senhora da caixa do supermercado disse para eu passar à frente, o senhor da minha frente virou-se para a mulher e disse "vês querida como não estás gorda? Se estivesses passavas à frente como esta!". Bem antes de eu poder abrir a boca e libertar as hormonas da fúria que me subiram pela garganta, a esposa desse senhor deu-lhe com a carteira e "obrigou-o" a pedir-me desculpa… O resto do tempo que estive naquela caixa ela não parou de praguejar com ele e ele de procurar um buraco para se enfiar. Uma outra vez, não estando eu grávida, o senhor da caixa insistiu que eu passasse à frente, e toda a gente insistiu e eu fiquei tão envergonhada que, calada que nem um rato, lá fui tal e qual a Rita. Mesmo depois de uma abdominoplastia, fujo a sete pés das caixas de cedência prioritária 🙂

  • Eu posso contar o inverso. Mas a verdade é que também nem sabia o que responder: fiz uma barriga pequena, era assunto sempre que me viam. Duas semanas antes do parto, uma vizinha perguntou-me se tinha corrido tudo bem. Julgou que era barriga de pós-parto!

    😉

  • Ah ah ah estas coisas são do caraças…estávamos na fila do supermercado eu e a minha irmã…eu realmente grávida (pouco mas grávida)…a minha irmã com um lindo vestidinho de verão franzido debaixo do peito…adivinhem lá quem ficou com a prioridade ??!! eu fiquei na fila e ela passou à frente cheia de vergonha e com falta de coragem para desmentir a sra da caixa… ah ah ah

    • Pois esses vestidos que cortan abaixo do peito e muitas marcas e estilistas pessoaia têm a mania de dizer que disfarçam a barriga… Fazem é o oposto. Dão a ideia de que são maezinhas que o estão a vestir. Odeio esses vestidos. Nunca os usei. Se me oferecerem alguma peça com um corte assim ou troco ou encosto. Nunca usaria tal. Aliás sempre fui rotulada de grávida e ja me quiaeram dar o lugar em autocarros… Mesmo depois de ter perdido montes de peso… Só por usar peças largas. E em alturas que nem namorado tinha. Só que o facto de fazer retenção… Ia tudo p a zona abdominal. E eu cheguei ao ponto de ter vontade de agredir as pessoas porque já se tornava recorrente.

    • Pois esses vestidos que cortan abaixo do peito e muitas marcas e estilistas pessoaia têm a mania de dizer que disfarçam a barriga… Fazem é o oposto. Dão a ideia de que são maezinhas que o estão a vestir. Odeio esses vestidos. Nunca os usei. Se me oferecerem alguma peça com um corte assim ou troco ou encosto. Nunca usaria tal. Aliás sempre fui rotulada de grávida e ja me quiaeram dar o lugar em autocarros… Mesmo depois de ter perdido montes de peso… Só por usar peças largas. E em alturas que nem namorado tinha. Só que o facto de fazer retenção… Ia tudo p a zona abdominal. E eu cheguei ao ponto de ter vontade de agredir as pessoas porque já se tornava recorrente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *