Avisem a fotógrafa que não sou uma modelo.

Tempo de leitura: 3 minutos
Andava com este post para aqui em draft porque não sabia o que fazer com ele.
A Teresa Noéme, entusiasmou-se, perdeu a cabeça e meteu-me nestas poses.
E agora falo do quê???
Da minha linda roupa e pochete do Stockroom Studio?
[Bem, na verdade este vestido é a minha cara e a pochete (dupla face) maravilhosa, mas o que estou a fazer num passadiço nestas figuras? 
Só se tiver ido a um casamento no Hotel do Guincho, o meu marido tiver estacionado a kms de distância e ter apanhado bebedeira tal que tive de fazer este percurso de saltos, cabelo ao vento e, ainda para mais, sozinha. 😉 Ou seja, isto seria um post sobre como lidar com discussões conjugais mas em estilo.
Mas não. Foi a fotógrafa (que amo) que só me pedia fotos dramáticas.
Is this dramatic enough?
Na verdade, um blog tem de espelhar a nossa cara, a nossa vida, a nossa verdade.
E é o que estou determinada a fazer por aqui. A minha verdade.
Se é de roupa que gosto, que escolho, que me assenta bem ao meu estilo de corpo.
Se o meu corpo não é perfeito, se os meus dias não são sempre de conto de fadas, se o meu cabelo está espigado…
O mesmo se for de máquinas fotográficas, brinquedos, o que for…
Tudo o que faça parte da minha vida. 
(Agora imaginem o que serão fotos a falar de azeite por exemplo. Estou com medo do drama que a Teresa me vai pedir (e até de perder muitas seguidoras.;)))
E quero não ter sempre links para outras páginas, o que significa poder estar a ganhar algo com essa troca.  Quero ter posts cleans sempre e depois outros que me ajudam a trazer dinheiro para casa.
Mas sempre com verdade. Só falar do que gosto.
Não sou fã do consumismo. Vocês sabem. Acho que devemos ter o suficiente para não andarmos em stress com contas. Isso para mim já é a vida ideal.
Mas também sou adepta do belo e de me sentir bem.
Por isso, o meu compromisso é este:
Mesmo que as fotos sejam too much, esta roupa eu com certeza usaria.
Ou para levar a um batizado ou a um casamento. Até com sapatos rasos para sair à noite (coisa que hoje em dia é um acontecimento sobrenatural).
O corte é dos que mais me favorece e adoro folhos, por isso…
E, no fim, fico feliz porque não estava sozinha no passadiço. 
Do outro lado está uma fotógrafa maravilhosa que me tira da minha zona de conforto e me obriga a mostrar este lado mais escondido de mim, mas que também existe.

[Estas propostas são meramente sugestivas. Reflitam antes da compra e só a façam se for necessária.]

4 thoughts on “Avisem a fotógrafa que não sou uma modelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *